Cidadeverde.com
Esporte

Clubes comunicam à CBF criação de liga para organizar o Campeonato Brasileiro

Imprimir

Em meio à crise no comando da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), os clubes da Série A apresentaram nesta terça (15) uma carta à entidade na qual decidiram pela criação de uma liga independente.

Foto - Fernando Torres / CBF

A ideia inicial é que essa liga absorva a organização do Campeonato Brasileiro. Dezenove dos 20 clubes da primeira divisão assinam o documento. As equipes da Série B foram convidadas para fazer parte do novo Nacional.

Confirmada pela reportagem, intenção de criar a liga e de ganhar mais poder de decisão no futebol brasileiro foi revelada pelo site GE.com.

Na carta, os clubes comunicam "a decisão imediata da criação de uma 'Liga' de futebol no Brasil, que será fundada com a maior brevidade possível e que passará a organizar e desenvolver economicamente o Campeonato Brasileiro".

O único clube da Série A que não assinou foi o Sport. O seu presidente, Milton Bivar, renunciou ao cargo, e uma nova eleição será convocada.

Os clubes começaram as articulações para a criação de uma liga após as denúncias de assédio sexual que afastaram Rogério Caboclo da presidência da CBF.

Na reunião com a entidade estiveram o atual presidente em exercício, coronel Nunes, o secretário-geral Walter Feldman e outros dirigentes.

A liga ainda não tem formato definido, e isso começará a ser discutido entre os clubes a partir de agora. Na reunião, a CBF afirmou que vai avaliar o quanto deve ceder à vontade dos clubes, mas um novo encontro ainda não tem data para acontecer.

"Ela [a carta] estabeleceu os princípios, e a partir de agora vamos começar a detalhar as questões mais operacionais de calendário, consituição da competição, estratégias comerciais, o estatuto a ideia é absorver o Brasileiro", afirma Guilherme Bellintani, presidente do Bahia, à reportagem.

"Já é uma decisão de que os clubes farão a liga imediatamente, e ficamos de informar o cronograma disso [à CBF]", completa.

"É o objetivo dos clubes de buscar um perfil diferente. Com tantos problemas que estamos vivenciando, os clubes entendem que, como os demais, de outros países, têm o direito de tentar organizar os seus campeonatos.

Porém, não é um rompimento com a CBF, que terá o papel dela", acrescenta Adson Batista, presidente do Atlético-GO.

A carta ainda diz que o movimento começou "em razão de diversos acontecimentos que vêm se acumulando ao longo dos anos e que revelam um distanciamento total e absoluto entre os anseios dos clubes que dão suporte ao futebol profissional brasileiro e a forma como é gerida a CBF".

Po isso, os clubes também pedem a alteração do estatuto da CBF para que eles tenham mais poder de decisão na entidade.

Hoje, eles participam do pleito para presidente e vices da entidade, mas seus votos tem peso menor que o das federações estaduais, por exemplo. As agremiações desejam o fim dessa desigualdade e também fazer parte da Assembleia Geral Administrativa, instância máxima de decisões da CBF, na qual participam apenas as federações.

Ainda pedem mais liberdade para a inscrição de chapas à presidência da instituição. Atualmente, um candidato precisa ter apoio de oito federações e cinco clubes para concorrer.

"Os clubes entenderam que precisavam assumir cada vez mais o protagonismo no futebol brasileiro, participando mais ativamente do processo de escolha do presidente e do vice da CBF, com votos igualitários entre federações e times da Série A e Série B. 

Essa mudança também é positiva para a CBF, que terá um processo eleitoral mais democrático e participativo", afirmou Marcelo Paz, presidente do Fortaleza.

"A formação da Liga é um momento histórico para o futebol brasileiro. Pela primeira vez vemos essa grande evolução, com os presidentes de todos os clubes demonstrando unidade em prol da criação de novo calendário", completou Walter Dal Zotto, do Juventude, que nesta temporada disputa a elite do Brasileiro.

Para Rodrigo Dunshee, vice-presidente-geral do Flamengo, as agremiações têm interesses econômicos em comum e devem atuar juntas. "Com a criação da Liga, os clubes resolveram assumir a organização do futebol brasileiro e comandar efetivamente o destino do seu principal produto", afirma.

O clube carioca, depois ter seu pedido de paralisação do Nacional durante a realização da Copa América negado pela CBF, recorreu ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) na sexta-feira (11). 

O presidente do tribunal, Otávio Noronha, resolveu encaminhar a solicitação a um colegiado e determinou a apreciação urgente do tema, o que deve acontecer no próximo dia 17.

Com seis jogadores atuando na Copa América, o Flamengo se sente prejudicado com os desfalques no Campeonato Brasileiro. O Brasil tem dois jogadores do clube: Gabriel e Everton Ribeiro. O time também cedeu Arrascaeta ao Uruguai, Isla ao Chile e Piris da Motta ao Paraguai.

JOÃO GABRIEL, CARLOS PETROCILO E ALEX SABINO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) 

Imprimir