Cidadeverde.com
Esporte

Flamengo vive efeito cascata com desfalques e astros em momento ruim

Imprimir

Parte da torcida do Flamengo já elegeu Rogério Ceni como o vilão para o momento instável do Flamengo, mas o treinador não carrega sozinho todas as justificativas para os insucessos recentes.

Foto - Alexandre Vidal - Flamengo

Embora algumas de suas apostas não tenham dado certo, caso da escalação de Bruno Viana contra o Atlético-MG e do posicionamento de João Gomes como um homem mais aberto, o treinador tem convivido com problemas em série que vão das baixas da Copa América ao rendimento ruim de peças importantes.

Na derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG na quarta-feira (7), Rogério já teve o acréscimo de Arrascaeta e de Isla, mas os dois chegaram ainda sem o ritmo desejado. O técnico ainda continua sem Everton Ribeiro e Gabigol, a serviço da seleção brasileira ao menos até este sábado (10).

O time rubro-negro, aliás, acompanha se eles deixarão de atuar na final da Copa América para, assim, poderem enfrentar a Chapecoense no domingo (11), a partir das 18h15, no Maracanã, em jogo válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Após a saída de Gerson e a lesão de Diego, o treinador rubro-negro recolocou Willian Arão em sua posição de origem, causando mudanças na zaga e alterando a forma de jogo da equipe. Some-se a isso o fato de jogadores fundamentais atravessarem um momento de baixa.

Grandes esperanças de gols do Flamengo, Bruno Henrique e Pedro não têm lembrado em nada o que o torcedor se acostumou a ver. O artilheiro encarou a Covid-19, viu sem nome envolvido em uma polêmica com a CBF e caiu de produção. 

Já o camisa 27 não está em bom momento técnico e ainda terá de tratar um estiramento na coxa diagnosticado na quinta (8).

"Compreendo todas as críticas, entendo o torcedor. Não é natural, é importante vencer. O trabalho vem sendo feito, os jogadores vêm se empenhando ao máximo. É o nono jogo com ausências importantes. Entendo todas as críticas, mas sigo meu trabalho. Temos que ganhar os jogos para dar ânimo", disse Ceni.

Este período de partidas sem o grupo à disposição aumentou a pressão sobre o comandante e deixou mais evidente a importância dos astros.

De lá para cá, o Flamengo somou cinco vitórias e quatro derrotas. Classificado às oitavas da Copa do Brasil, os atuais campeões patinam no Brasileiro e ocupam a 11ª colocação na tabela de classificação.

Com Ceni em xeque, a cúpula rubro-negra tenta esfriar a fervura enquanto avalia os riscos de uma eventual troca. Ainda longe de ter novamente o seu time em mãos, o treinador tenta sobreviver em meio ao caos e apaziguar o ambiente tenso do Nino do Urubu.

Contra a Chape, um novo revés será decisivo para as cenas dos próximos capítulos rubro-negros.

LEO BURLÁ
RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS)

Imprimir