Cidadeverde.com
Geral

Presidente da Amepi defende participação de policiais em ato pró-Bolsonaro

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com 

O presidente da Associação dos Oficiais Militares do Piauí (Amepi), Major Diego Melo, saiu em defesa da participação de policiais nos atos em defesa do governo Bolsonaro marcados para esta terça-feira (07), feriado da Independência, em Teresina. Segundo ele, desde que estejam de folga e desarmados, os militares têm direito de participar das manifestações políticas. 

As declarações de Diego Melo vão de encontro às recomendações expedidas pelo Comando Geral da Polícia Militar, que veda a participação de militares da ativa em atos políticos, sob pena de responderem a processos administrativos na corporação.   A promotoria Militar também já advertiu que a legislação proíbe a participação de militares nos atos, fardados ou não. 

“A avaliação do nosso jurídico é que não há nenhum problema, nunca houve. Não é a primeira e nem a última vez que vai haver o 7 de setembro e atos nesse dia. Os policiais são livres, na folga deles e desarmados, para manifestar seu sentimento patriótico, liberdade e independência. Isso aí [recomendações] é um flerte com a tirania”, reagiu Diego Melo, que é um dos organizadores da carreata marcada para Teresina nesta terça-feira. 

O presidente da Amepi disse ainda que a entidade sairá em defesa dos policiais militares que forem alvo de processos disciplinares por participar das manifestações. “A gente está preparado para judicializar qualquer abuso de autoridade que aconteça. Se abrirem processos administrativos, a gente vai defender quem for processado e denunciar por abuso de autoridade quem o fizer”, disse o major. 

Carreata deve reunir 3 mil pessoas

A carreata em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, que tem Diego Melo como um dos organizadores, vai ser iniciada às 16h na Avenida Zequinha Freire, zona leste. O grupo deve passar ainda pelas avenidas João XXIII, Raul Lopes, Frei Serafim e Miguel Rosa, antes de encerrar o ato em frente ao 25º Batalhão de Caçadores, no centro. 

A expectativa dos organizadores é que 3 mil pessoas participem do ato, que tem como bandeiras “Deus, Pátria, Família e Liberdade”. 

“É um ato nacional, que acontece em várias capitais e várias cidades no Brasil”, destacou Diego Melo. 

 


Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir