Cidadeverde.com
Geral

"Creio no milagre", afirma mãe de bebê de oito meses vítima de acidente

Imprimir

A família da bebê de oito meses vítima de um grave acidente na última quinta-feira, na Avenida Higino Cunha, segue confiante na recuperação dela. Laura Sofia está internada em estado grave no Hospital de Urgência de Teresina (HUT), mas, segundo familiares, tem apresentado melhoras nas últimas horas. 

A mãe da bebê, Aline Oliveira, que também foi vítima do acidente na última quinta-feira, já visitou a filha e conversou com a equipe médica responsável pelo caso. Demostrando bastante fé e confiança, ela diz que a criança segue com quadro de saúde estável. 

“Ontem eu estive lá com ela. Fui visitá-la e falei com a equipe médica. A minha filha, em momento algum, teve morte cerebral. Ela está estável, mas está reagindo. Eu creio no milagre que Deus faz. Creio que ela vai sair dessa”, disse Aline à TV Cidade Verde. 

No último sábado, o Hospital de Urgência de Teresina emitiu um boletim informando que a bebê Laura Sofia não apresentava atividade cerebral. O hospital ainda não se manifestou nesta segunda-feira (06) sobre o atual estado de saúde. 

O acidente que vitimou mãe e filha aconteceu na noite da última quinta-feira, por volta das 22h, no cruzamento das Avenidas Higino Cunha e Odilon Araújo, no bairro Piçarra. O advogado Marcus Vinicius Nogueira conduzia uma Hilux SW4 que colidiu fortemente no carro Siena, ocupado pelas vítimas, resultando da morte do pai de Aline, Raimundo Nonato da Silva Oliveira, de 53 anos. 

“Estou abalada ainda, sem entender como tudo aconteceu. Quando fui dar por mim, estava no carro, já tinha acontecido tudo, mas eu não conseguia reagir, entender o que estava acontecendo”, contou Aline, que fraturou a clavícula e teve ferimentos no pé. Ela também passou por cirurgia, mas já está em casa ao lado de familiares. 

Aline Oliveira também destacou que, até o momento, não recebeu nenhum tipo de apoio por parte do advogado Marcus Vinicius Nogueira, envolvido no acidente, ou da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O advogado foi solto na última sexta-feira após passar por audiência de custódia e pagar fiança de R$ 15 mil. 

Após perder o pai e ter a filha em situação grave no hospital, ela diz que espera apenas que a justiça seja feita. 

“A gente está sem apoio, não está tendo apoio nenhum da parte deles, de custeio, despesa. O que eu peço é justiça por essa causa, porque o meu pai não volta. Esse advogado é muito conhecido, mas o advogado dos advogados é Deus, e ele não perde”, disse. 


Natanael Souza 
[email protected]

Imprimir