Cidadeverde.com
Política

Dr. Pessoa anuncia criação de Comitê Emergencial para monitorar risco de enchentes

Imprimir
  • 4.jpg Roberta Aline
  • 3.jpg Roberta Aline
  • 2.jpg Roberta Aline
  • 1.jpg Roberta Aline

A Prefeitura de Teresina vai criar um Comitê Emergencial para monitorar o risco de enchentes na capital. O anúncio foi feito na manhã desta terça-feira (28) durante uma reunião entre o prefeito Dr. Pessoa (MDB), secretários e representantes do programa Lagoas do Norte. 

Segundo o prefeito, a medida é uma forma de prevenção a possibilidade da elevação do rio Parnaíba na capital, inclusive, com risco de atingir famílias ribeirinhas, devido ao aumento da incidência de chuvas no Sul do Piauí. 

“Imagine o volume de água que vem do Sul do estado para cá, se nós não tivermos uma ação preventiva. O objetivo aqui foi esse de traçar para caso venho um volume grande de água estaremos com uma atitude de prevenção não só para Lagoas do Norte, mas para toda Teresina”, explicou o chefe do Executivo. 

Durante o encontro foi apresentado ao prefeito e secretariado um diagnóstico de áreas sensíveis na cidade. São pelo menos 56 áreas de risco monitoradas diariamente pela Defesa Civil. 

Estiveram presentes na reunião o vice-prefeito, Robert Rios (PSB), o secretário João Henrique Sousa (MDB), o superintendente Roncalli Filho (MDB) e o secretário de Defesa Civil de Teresina, Carlos Ribeiro. 

Teresina em alerta

O município de Teresina, através da Defesa Civil, está em alerta após a Chesf dobrar a vazão da barragem de Boa Esperança depois que o volume útil do reservatório chegou a 69,9% devido às fortes chuvas que atingiram a região nos últimos dias. Com o aumento da vazão, o nível do Rio Parnaíba deve subir e há a possibilidade de a elevação atingir famílias ribeirinhas na cidade. 
 
No entanto, não há motivos para preocupação, porque, segundo o secretário de Defesa Civil de Teresina, Carlos Ribeiro, o órgão está em alerta para auxiliar as famílias durante essa cheia do Rio Parnaíba. "Estivemos na Chesf ontem para saber a situação da barragem de Boa Esperança e fomos ver a régua do rio. Estamos atentos para que a cidade fique bem cuidada", frisou o secretário Carlos Ribeiro. 
 
Áreas de risco em Teresina
 
Atualmente, a Defesa Civil monitora 56 áreas de risco em Teresina. Diariamente, de acordo com o secretário Carlos Ribeiro, equipes da Defesa estão nesses locais verificando alguma anormalidade. "Queremos alertar à população que qualquer emergência ou urgência ligue para 199. Estamos à disposição da cidade", completou o secretário Carlos Ribeiro. 

Programa Lagoas do Norte 

Em entrevista à imprensa, Dr. Pessoa garantiu que a Prefeitura de Teresina dará continuidade ao Programa Lagoas do Norte, desta vez, nos moldes da nova gestão. Ele também pontuou que deverá buscar diálogo com famílias que serão desapropriadas na região. O contrato com o Bando Mundial, responsável pelo financiamento de obras de reorganização urbana, teve fim neste mês de dezembro e não foi renovado.

Nas declarações que deu, o chefe do Executivo retornou a atribuir a culpa da perda de prazo para conclusão da obras do contrato com o Banco Mundial a gestão tucana.  

“As Lagoas do Norte encontramos há 11 anos em funcionamento quase R$ 350 a R$ 450 milhões para fazer o saneamento dessa região. Fizeram a metade. Na gestão anterior se expirou o prazo, não avançaram pediram o adiamento e estava vencendo e mesmo assim não avançaram”, disse o prefeito.  

O secretário de Finanças Robert Rios pontuou que a administração municipal ainda realiza um estudo sobre como garantirá recursos para a retomada das ações do programa. Porém,  entre as possibilidades estão a de utilizar recursos próprios ou efetuar novos empréstimos com outros bancos. 

“O projeto Lagoas do Norte não é um projeto concluído. Mas, o prefeito Dr. Pessoa decidiu que ele será concluído e agora vamos discutir como vamos fazer isso, se será com recurso próprio do município ou vamos procurar outros bancos e vamos pedir empréstimos a outros bancos. A decisão de terminar o projeto está tomada, não teremos prejuízo”, frisou. 

Paula Sampaio e Nataniel Lima
[email protected]

Imprimir