Cidadeverde.com
Esporte

Ex-alvo do Corinthians, Paulo Fonseca revela drama em Kiev: 'O pior dia da vida'

Imprimir

O técnico português Paulo Fonseca esteve na mira do Corinthians e chegou a negociar com o clube paulista. Sem acerto, permaneceu em Kiev, onde mora com sua mulher ucraniana.

Reprodução/Instagram/@paulofonseca_oficial

Nesta quinta-feira, o treinador foi acordado de madrugada com barulho de explosões de bombas e revelou que está vivendo o pior dia de sua vida, sem saber como deixar o país atacado pela Rússia.

Apavorado, o treinador fez um relato desesperador do que está vivendo na Ucrânia nas últimas horas. Ele não esconde o medo de perder a vida e revela não ter para onde ir tamanho o pânico do povo do país.

"Acordei às cinco da manhã com cinco explosões seguidas. Tinha voo marcado para hoje, mas agora é impossível sair daqui, até porque os aeroportos já estão destruídos e o espaço aéreo foi fechado", disse o treinador ao Jornal de Notícias, de Portugal. Paulo Fonseca já treinou o Shakhtar Donetsk e atualmente está sem clube após não ter conseguido um acordo com o Corinthians.

"Neste momento, só se consegue sair de Kiev por via terrestre e todos tentam fugir para Lviv, cidade perto da Polônia. As estradas estão completamente paradas, porque é impossível circular com tantos automóveis.

As filas são enormes", continuou "Além disso, já não há gasolina. Só resta rezar para que uma bomba não caía junto de nós. Sinceramente, não sei como vou sair daqui."

Paulo Fonseca revelou que "há vários aviões militares" em manobras constantes e aumentando ainda mais o medo. "Este é o pior dia da minha vida. Agora é esperar e ter sorte e rezar para que uma bomba não caia junto de nós", repetiu.

O técnico ainda admitiu que o povo ucraniano está totalmente alucinado na luta pela sobrevivência: "Há filas enormes nos supermercados, as pessoas estão comprando tudo. Já não resta muita coisa."

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir