Cidadeverde.com
Geral

Secretário de Segurança diz que Piauí já registra redução da violência

Imprimir

O secretário de Segurança Pública, coronel Rubens Pereira, informou que apesar dos resultados negativos em relação a mortes violentas no ano de 2021, já estão sendo implementadas medidas que estão garantindo neste ano uma redução desses casos no estado.                

A declaração do secretário aconteceu após divulgação dos dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, que foi divulgado nesta terça-feira (28), que apontou um aumento de 10,3% nas mortes violentas e de 11% nos casos de estupros, de 2020 a 2021.

Rubens Pereira explicou que esses dados já tinham sido divulgados em janeiro deste ano e que diante da situação, foram adotadas medidas para a redução das mortes violentas, principalmente em Teresina que apareceu como a quarta capital mais violenta do Brasil.

“Em junho já colhemos dados atualizados, Teresina apresenta uma redução de 26% dessas mortes violentas. Que tem uma repercussão no estado do Piauí, já que é uma cidade com maior população, com repercussão e tendência de queda das mortes violentas intencionais, e isso com uma interação que estamos tendo com as Forças de Segurança especializadas, como a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, e as forças estaduais, inclusive a Polícia Penal, Civil e Militar, cada uma com suas atribuições, e estamos no caminho certo”, explicou.

O anuário ainda apontou um aumento de 55% nos casos de importunação sexual, de 17,7% de estupro de vulnerável, de 302% nos casos de violência psicológica e uma redução de 8,7% nos demais casos de estupro. Além disso foram registrados, de junho a dezembro de 2021, cerca de 471 casos de stalking. Já em relação a população LGBTQI+, teve um aumento de 200% nas mortes.

Para o secretário, esse aumento de dados, significa que a população, principalmente as mulheres, estão registrando cada vez mais os casos de violência e que também existe um aprimoramento no atendimento das vítimas.

“Acho que alguns dados demostram um aumento de registro, no caso de estupro e pela importunação, então é possível analisar e estabelecer que estamos melhorando o atendimento.Tivemos no ano passado a admissão de muitas delegadas no interior do estado, então aprimoramos esse atendimento e estávamos esperando isso, porque as mulheres se sentem mais acolhidas ao buscarem atendimento, e é o que queremos, cada vez mais melhorar e aprimorar o atendimento”, destacou.


Bárbara Rodrigues e Gorete Santos
[email protected]

Imprimir