Cidadeverde.com
Cidades

Inmet emite novo alerta de baixa umidade para 135 municípios do Piauí

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu na manhã desta quarta-feira (27), um alerta de perigo potencial para baixa umidade que afeta 135 municípios do Piauí 

A condição vale para as áreas localizadas no Sudeste, Sudoeste e Centro-Norte do Piauí. 

Segundo o Inmet, a umidade relativa do ar nestes municípios vai ficar variando entre 30% e 20%. Ainda existe um risco, mesmo que considerado baixo, de incêndios florestais.

A climatologista Sônia Feitosa explica que essa condição está sendo provocada por uma massa de ar seco que atinge o Piauí, principalmente a região Sul.  

“O estado do Piauí passa agora por uma atuação de uma massa de ar seco que inibe a atuação de nuvens e por conseguinte, o que atua agora é essa massa de ar seco que provoca baixa umidade relativa do ar que gradativamente, com o aumento da ocorrência de ventos, com o aumento das temperaturas, faz com que essa umidade relativa do ar fique mais baixa e que estamos observando dia após dia”, ressalta. 

A baixa umidade também traz risco à saúde. A umidade considerada ideal pela Organização Mundial de Saúde (OMS) fica entre 40% a 70%.

Com a baixa umidade, a recomendação é para que se beba bastante líquido, evite desgaste físico nas horas mais secas e evite exposição ao sol nas horas mais quentes do dia e para mais informações, o Instituto divulga o telefone da Defesa Civil (199) e o do Corpo de Bombeiros (193) 

Sônia Feitosa acrescenta ainda que no momento, a baixa umidade está em um espaço de tempo pequeno, e que essa situação deverá ficar mais crítica nos meses de setembro em diante, quando ocorre o período de B-R-O-Bró.   

“Vale ressaltar que, felizmente, ainda estamos no mês de julho e essa condição está em um espaço de tempo pequeno que é próximo às 15h da tarde, mas à medida que nós chegarmos nos meses de setembro e outubro, essa condição vai se tronando mais cítrica, quando a umidade cai a valores abaixo de 20% e os problemas de saúde e incêndios aumentam exponencialmente”, finaliza. 

Fonte: Inmet

 

Rebeca Lima
[email protected]

 

 

Imprimir