Cidadeverde.com
Revista

Corpo de Bombeiros orienta sobre cuidados em banhos de rio

Imprimir

Foto: Renato Andrade / Cidadeverde.com 

A tragédia que terminou com o afogamento de cinco pessoas da mesma família no rio Parnaíba, em Nazária (distante 35 km de Teresina), acendeu o alerta para os  cuidados que os banhistas precisam ter em momentos de lazer. 

O coronel José Veloso, relações públicas do Corpo de Bombeiros do Piauí, conversou com o Cidadeverde.com sobre os cuidados que todos precisam ter antes de entrarem em qualquer área destinada ao banho, seja ela uma piscina ou rios. Segundo o coronel, cada lugar tem seu perfil próprio e é necessário que o cidadão conheça antes de se aventurar. 

“[Banhar de rio] é um meio de lazer recomendável devido às temperaturas elevadas. Mas, a gente precisa estar atento aos perfis que estão envolvidos: a zona aquática e o perfil das pessoas”, ressaltou o coronel. 

Foto: Renato Andrade / Cidadeverde.com 

De acordo com José Veloso, os banhos têm características singulares e é por conta disso que o turista precisa conversar com nativos para saber informações sobre o lugar em que está entrando. Segundo o bombeiro, há lugares com excesso de profundidade e outros com falta. 

“A pessoa pode fazer um salto em um local raso e acabar sofrendo um acidente. Um bebê pode se afogar em um palmo de água. Além disso, a alimentação ou bebida alcoólica ingerida antes do banho altera o perfil fisiológico da pessoa. É preciso levar em conta ainda que a natação é uma atividade onde há um esforço físico intenso. E isso precisa ser levado em consideração”, pontuou o coronel. 

Dicas 

O coronel Emídio Oliveira, comandante das operações de resgate das crianças que se afogaram em Nazária, destacou à reportagem que é necessário ter mais atenção com as crianças. 

Foto: Renato Andrade / Cidadeverde.com 

“Antes de deixar elas banharem em qualquer lugar, [os pais ou responsáveis precisam] verificar como é a situação do local. O rio Parnaíba, por exemplo, nas coroas, têm locais que afundam muito rapidamente. Não podemos deixar as crianças irem para aquele local porque elas não terão condições de nadarem”, ressaltou o coronel Emídio Oliveira. 

Entre as recomendações para os banhos estão:

  • Perguntar a nativos qual o melhor local para o local para o banho, seja em lagoas ou mar;
  • Ter mais atenção com as crianças;
  • Se presenciar alguém se afogando, procure algo que flutue e jogue na direção da pessoa;
  • Nadar longe de pedras, árvores e mangues;
  • Não se afaste do grupo de banho; e
  • Fazer alongamentos antes de nadar. 

“Quem faz natação precisa de um aquecimento prévio. Com a natação, a pessoa pode ter contrações musculares que podem lhe trair exatamente no meio do rio e provocar o afogamento. É um momento de lazer e geralmente o corpo está relaxado”, completou o coronel José Veloso. 

 

Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir