Cidadeverde.com
Geral

Presa mulher suspeita de levantar informações sobre empresário; quarta pessoa presa

Imprimir

Foto: Arquivo pessoal 

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) prendeu nessa quinta-feira (13) a quarta pessoa envolvida no assassinato do empresário Rafael Soares, 25 anos. Ele foi vítima de um latrocínio (roubo seguido de morte), em setembro deste ano, ao esboçar reação para tentar escapar do assalto. Antes eram sete envolvidos, mas a polícia agora trabalha com oito nomes, após identificar a participação de uma pessoa que já trabalhou para Rafael.

Nessa quinta-feira, foi presa uma mulher identificada como Iasmim, que é suspeita de tirar fotos e levantar informações do empresário para o grupo criminoso, que tinha como objetivo roubar R$ 30 mil do empresário, além de levar o carro e um caminhão da empresa de Rafael.

Segundo a Polícia Civil, após buscas, a mulher decidiu se entregar para os policiais. Iasmim ainda é investigada por participação em um duplo homicídio na zona Sul, onde teria levado as vítimas para um local onde foram assassinadas.

A polícia também identificou um 8º suspeito de participação no crime, que seria uma pessoa próxima do empresário.

“Tínhamos uma dúvida sobre como essa associação tinha tanta informação sobre o Rafael, fomos buscar isso e já chegamos na resposta, que era uma pessoa que trabalhava no meio dele, que passava essas informações para a associação criminosa. Já identificamos essa pessoa e estamos legitimando as provas, para que a gente possa prender”, afirmou o delegado Francisco Costa, o Baretta, coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Outros presos

Os envolvidos integram uma organização criminosa especializada em roubo de veículos e teriam participação em homicídios anteriores. 

No organograma que consta no inquérito policial está delineada a participação de cada suspeito. Até o momento foram presos Lucas Vinicius de Sousa Pereira, conhecido como Queijeiro, Maycon Araújo de Moura, conhecido como Sapão, apontado como o líder, e o suposto  adolescente de iniciais G.P.S, conhecido como Cigano, que seria o executor e se apresenta como menor de idade. 

 


Bárbara Rodrigues e Tiago Melo
[email protected]

Imprimir