Cidadeverde.com
Cidades

Manchas de óleo voltam aparecer em praias do litoral do Piauí; veja recomendações

Imprimir
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_03.jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_03_(2).jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_03_(1).jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_02.jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_02_(3).jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_02_(2).jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_02_(1).jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_01.jpeg Divulgação
  • WhatsApp_Image_2022-10-25_at_13_01_01_(1).jpeg Divulgação

Novas manchas de óleo foram encontradas em pelo menos quatro praias no litoral piauiense. Desde o dia 21 de outubro um grupo de analistas ambientais tem monitorado as praias em busca de vestígios de óleo. Até o momento, 2 kg do material foram removidos das praias de Cajueiro, Parnaíba e Luís Correia. 

O Cidadeverde.com conversou com Adriano Demato, analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio),  disse que ainda não é possível identificar uma explicação para o surgimento dessas manchas de óleo. 

“Nesse momento estamos fazendo o recolhimento do material encontrado nas praias. O material irá para análise e só depois vamos identificar a origem desse óleo. Mas, a quantidade ainda é muito pequena. Retiramos 2 quilos das praias. Muito diferente do passado, onde foram removidos mais de 7 toneladas”, relatou Adriano Demato. 

As praias em que as manchas foram encontradas até o momento são: Barra Grande (Cajueiro da Praia), Pedra do Sal (Parnaíba), e Barro Preto e Coqueiro (Luís Correia). 

Uma força tarefa foi montada, sob a coordenação da Secretaria de Meio Ambiente do Piauí (Semar), para monitorar as praias diariamente para identificar a chegada de manchas de óleo. Entre os órgãos envolvidos estão o Ibama, ICMBio, Instituto Tartarugas do Delta e as prefeituras locais. 

“A situação ainda está sob controle. As praias estão limpas. Qualquer pessoa que tenha contato visual com essas manchas devem entrar em contato com os órgãos competentes para que possamos ir até o local fazer a coleta do material”, acrescentou Adriano Demato. 

Recomendação 

O gerente de fiscalização da Semar, Antonio Fernandes, redobrou a recomendação do analista do ICMBio sobre a população evitar o contato com essas manchas. Segundo Fernandes, as equipes estão quase que diariamente nas praias fazendo esse monitoramento. 

E, para aqueles que encontrem manchas de óleo, três recomendações são essenciais: 

  • Reportar o encontro das manchas para os órgãos responsáveis para que eles possam fazer o recolhimento do material.
  • Não faça contato com o material. E, se houver, procure retirar a substância o mais breve possível utilizando óleo de coco ou óleo de cozinha.
  • Caso encontre animais com óleo, devem acionar os órgãos competentes e não tentar limpar o animal. 

Para mais informações e contato aos órgãos que estão atuando nessa força tarefa, acione: 

  • ICMBio 61 9 9158 9384
  • Ibama 86 9 9456 8343
  • Semar 86 9 9464 1242

Surgimento de manchas anteriomente

No Piauí, seis praias registraram manchas do petróleo cru em outubro de 2019. Àquela época, 11 tartarugas foram encontradas mortas, sendo que duas, após necropsia, apresentaram manchas de óleo no intestino. Um total de 7 toneladas de manchas de óleo foram removidas das praias em 2019. Um dos locais com maior dificuldade de remoção do material foi na praia do Coqueiro, em Luis Correia.

Saiba mais: Litoral do Piauí mantém alerta sobre manchas de óleo e prefeituras fazem limpeza

 

Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir