Cidadeverde.com
Política

Lula se reúne com Arthur Lira e petistas falam em 'abertura de diálogo'

Imprimir

Foto: Ricardo Stuckert


O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva reuniu-se na manhã desta quarta-feira, 9, com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O petista passou menos de duas horas na residência oficial de Lira numa conversa que foi classificada como "abertura de diálogo" com o presidente da Câmara que pretende manter-se no cargo e controla a pauta de votações na Casa.

O deputado federal José Guimarães (PT-CE) afirmou que o encontro teve um tom "muito bom, amistoso". Deputados do PT participaram do primeiro encontro entre Lula e Lira, após as eleições. "Ótima reunião. Foi uma reunião protocolar", disse Guimarães na saída do encontro. "Abertura de diálogo na busca de entendimento com o País e votação das matérias."

Segundo Guimarães, haverá uma reunião nesta quinta-feira, 10, com outros parlamentares. "Acho que a coisa está andando bem." Além de Lula, reuniram-se com Lira, o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, o coordenador técnico da equipe de transição e ex-ministro Aloizio Mercadante, e os deputados Odair Cunha e Reginaldo Lopes, ambos do PT em Minas.

Lula chegou à residência oficial de Lira por volta das 10h15. Ficou no local durante 1h40. De lá, foi até a casa do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Durante a tarde, o presidente eleito tem encontros agendados com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes.

Lula e o PT têm discutido meios de bancar o Auxílio Brasil - que voltará a ser chamado de Bolsa Família - de R$ 600 a partir de janeiro e outras despesas de interesse do novo governo. A PEC incorporaria o chamado "waiver" (licença para gastar), que tem batido nos R$ 160 bilhões, podendo chegar a R$ 200 bilhões, como defendem alguns integrantes da cúpula petista.

Na semana passada, o Centrão havia sinalizado que apoia a medida, mas exigirá condições como a manutenção do orçamento secreto e o apoio ao projeto de reeleição de Lira no comando da Câmara. Lira e Pacheco querem se reeleger para o comando das Casas Legislativas no ano que vem.

 

 

 

 

Fonte: Estadão Conteúdo 

 

Imprimir