Cidadeverde.com
Economia

Governo do estado propõe zerar IPVA de motos e altera ICMS; mensagem chega à Alepi

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

O governo do Estado enviou nesta terça-feira (6) mensagem à Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) propondo a isenção do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) de motos até 150 cilindradas e mudanças nas alíquotas do ICMS. Vários estados passam por essas mudanças, após a nova legislação aprovada no governo Bolsonaro. 

O projeto propõe ainda a desoneração do ICMS no gás de cozinha e dos produtos da cesta básica. Segundo o governo, o objetivo é tornar esses produtos mais acessíveis para a população de baixa renda. Com a isenção do IPVA de motos até 150 cilindradas e mais de 550 mil contribuintes devem ser beneficiados.

De acordo com o projeto, a alíquota de ICMS que incide sobre a cesta básica cairá de 12% para 7%. Já o gás de cozinha sofrerá uma redução de 18% para 12%. Essas reduções tornarão mais barato o gás de cozinha e produtos como arroz, feijão, óleo de soja e outros itens que compõem a cesta básica. 

“Essa desoneração dará um fôlego ao piauiense na hora de comprar o gás de cozinha e abastecer a dispensa com produtos da cesta básica, além de contemplar os proprietários de motos de até 150 cilindradas, que ficarão isentos de pagar o IPVA”, afirma o superintende de gestão da Sefaz, Emílio Junior. 

A lei enviada à Alepi prevê ainda um ajuste tributário na alíquota modal para reduzir o impacto da perda de arrecadação decorrente das leis complementares 192 e 194, que produzem prejuízos para os cofres dos estados e colocam em risco a oferta de serviços públicos essenciais à população. 

“Todos os estados estão procurando alternativas para as leis 192 e 194. Essas decisões foram tomadas para que o estado consiga manter o financiamento, ainda que parcialmente, dos serviços públicos essenciais”, explica Emílio Júnior. Segundo ele, as perdas estimadas para o Piauí, até o momento, com as leis 192 e 194, chegam a mais R$ 1 bilhão por ano.

Flash Yala Sena (com informações do governo)
[email protected]

Imprimir