Cidadeverde.com

FMS nega sequelas neurológicas em crianças de até 7 anos que tiveram Zika

O neurologista da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Marcelo Vieira, informou que não há comprovação científica de que o Zika vírus cause sequelas neurológicas em crianças de até sete anos, que foram infectadas após o nascimento. O especialista demonstrou preocupação com a quantidade de informações equivocadas que vem circulando a respeito da epidemia, como em áudios que estão sendo passados em grupos do aplicativo Whatsapp.

"Juntaram essa informação dos áudios com as da encefalite e criaram essa salada, esse terror, de que o zika vírus pode causar encefalite. Isso foi um ‘florimento’ que quiseram fazer, pegaram as informações que são corretas e reais e por pânico ou maldade e começaram a espalhar nas redes essa teoria da conspiração pura", afirmou Marcelo Vieira.

De acordo com o neurologista, o vírus pode causar outras doenças encefálicas, que acometem o cérebro, mas as possibilidades são remotas. "O zika é um arbovírus primo da dengue, da febre amarela e febre tifóide, qualquer arbovírus tem o poder de causar encefalite, não somente a microcefalia, que nada mais é do que uma encefalite intra-uterina, só que em proporções bem pequenas", explicou Marcelo Vieira.

A epidemia
A Organização Mundial de Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde emitiram nesta terça-feira (1º) um alerta mundial sobre a epidemia de zika vírus. Segundo a OMS, somente neste ano foram confirmados casos de zika em nove países das Américas. Brasil, Chile - na ilha de Páscoa -, Colômbia, El Salvador, Guatemala, México, Paraguai, Suriname e Venezuela.

Microcefalia
O Ministério da Saúde confirmou, em novembro deste ano, a relação entre o zika vírus e o surto de microcefalia na Região Nordeste. A comprovação teve como base o resultado de exames realizados em um bebê nascido no Ceará. O resultado do Instituto Evandro Chagas identificou a presença do vírus em amostras de sangue e tecidos deste bebê. Segundo o instituto, o bebê apresentava microcefalia e outras malformações congênitas, e que acabou morrendo.

Até o dia 30 de novembro, o Piauí teve 36 casos notificados com suspeita de microcefalia, 7 em Teresina e 29 no interior.

O transmissor
Para diminuir os casos, as autoridades ligadas a saúde alertam para o combate ao mosquito transmissor, o Aedes aegypti, responsável pela transmissão de outras doenças como a Dengue e a febre do Chikungunya. 

O grupo Cidade Verde iniciou uma campanha para mostrar e informar à população que com medidas simples, as pessoas fazem sua parte e protegem suas famílias. Algumas das medidas que podem ser adotadas nesse combate são: Não jogar lixo em terrenos baldios, limpar as calhas com frequência, se for guardar pneus e garrafas, retirar toda água e mantê-los em locais cobertos, lacrar com sacos plásticos os vasos sanitários sem uso, encher os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda.

Lyza Freitas e Lucas Marreiros (Especial para o Cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com