Cidadeverde.com

Ministério da Saúde confirma 30 casos de microcefalia relacionados ao zika no Piauí

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira (17) que 30 casos de microcefalia relacionados ao vírus zika já foram confirmados no Piauí. O boletim divulgado aponta ainda que outros 74 casos estão em investigação. No último boletim divulgado pelo MS na semana passada, o Estado tinha 70 casos em investigação e 29 confirmados. Até agora foi registrada uma morte de bebê em consequência de alterações neurológicas relacionadas ao zika.

Segundo o Ministério da Saúde, 12 casos investigados já foram descartados no Piauí. 

Em todo o país, de acordo com o Ministério da Saúde, 3.935 casos suspeitos de microcefalia estão em investigação. Desse total, 60,1% dos casos (3.174) foram notificados em 2015 e 39,9% (2.106) no ano de 2016. 

O Ministério da Saúde considera que houve infecção pelo vírus zika na maior parte das mães que tiveram bebês, cujo diagnóstico final foi de “microcefalia e/ou alterações do Sistema Nervoso Central, sugestiva de infecção congênita”. 

Amapá e Amazonas são os únicos estados da federação que não tem nenhum registro de casos. Os 508 casos confirmados no Brasil ocorreram em 203 municípios, localizados em 13 unidades da federação: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

No total, foram notificados 108 óbitos por microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto (natimorto) ou durante a gestação (abortamento ou natimorto). Destes, 27 foram investigados e confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central.  Outros 70 continuam em investigação e 11 já foram descartados. Ao todo, 5.280 casos suspeitos de microcefalia foram registrados desde o início das investigações em 22 de outubro de 2015 até 13 de fevereiro de 2016.

O Ministério da Saúde orienta as gestantes adotarem medidas que possam reduzir a presença do mosquito Aedes aegypti, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para gestantes.

Hérlon Moraes (Com informações do MS)
redacao@cidadeverde.com