Cidadeverde.com

A cada mil imóveis em Teresina, um possui criadouro de Aedes aegypti

A cada mil imóveis em Teresina, um possui criadouro do mosquito Aedes aegypti. De acordo com os dados do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), o Índice de Infestação Predial (IIP) – a relação entre o número de imóveis positivos para o mosquito pelo total pesquisado – da nossa cidade está em 0,1%.

Segundo os parâmetros estabelecidos pelo Ministério da Saúde determinam que índices de até 1% são considerados satisfatórios. Para continuar com dados positivos, a Prefeitura de Teresina tem dado continuidade às ações da Faxina nos Bairros, que neste sábado chegou à sua 17ª edição. O ponto de partida das equipes de limpeza foi o bairro Vila  Meio Norte, na zona Leste da cidade.

Para o prefeito Firmino Filho, enquanto houver crianças nascendo com microcefalia relacionada ao zika vírus, o trabalho de combate ao Aedes aegypti em Teresina será intenso e contínuo. “Não é por causa desses resultados satisfatórios que o município de Teresina vai deixar de intensificar as ações. Daremos continuidade a Faxina nos Bairros com o objetivo de reduzir mais ainda os números para colocarmos o município em situação ainda mais satisfatória em relação ao risco da transmissão e da produção de Aedes aegypti. Não podemos baixar a guarda. E a população tem atendido ao nosso pedido de manter a cidade limpa e saudável”, disse.

Para o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Francisco Pádua, a colaboração da população é fundamental para que o mosquito não nasça. “Outro dado apontado pelo LIRAa é que a maior quantidade de criadouros são encontrados  nas residências devido ao acúmulo de lixo. Portanto, a Faxina tem esse papel importante de mobilizar a comunidade a colocar para fora de suas residências todo tipo de material inservível que possa se tornar criadouro do mosquito Aedes aegypti. O combate ao mosquito depende principalmente de pequenas ações de limpeza que praticamos no dia a dia”, ressaltou o presidente.

O mosquito vive dentro ou ao redor de casa ou de outras construções frequentadas por humanos. Ou seja, ele está sempre perto do homem. Tem hábitos preferencialmente diurnos e alimenta-se de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. É necessário ficar atento às bandejas externas do ar-condicionado; esvaziar garrafas, latas e baldes e guardá-los com o gargalo para baixo em local coberto; lavar semanalmente, com bucha, sabão e água corrente, os vasilhames de alimentação de animais; lavar semanalmente com escova e sabão os tanques utilizados para armazenar água; encher os pratinhos das plantas com areia até a borda e não deixar água acumulada sobre a laje.

Da redação
redacao@cidadeverde.com