Cidadeverde.com

Caso Eduardo: defesa entra com habeas corpus para trancar processo

  • cortejo-corrente-3.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • cortejo-corrente-2.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • cortejo-corrente.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • eduardo-corrente-velorio-7.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • eduardo-corrente-velorio-6.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • eduardo-corrente-velorio-5.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • eduardo-corrente-velorio-4.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • eduardo-corrente-velorio-3.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • eduardo-corrente-velorio-2.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • eduardo-corrente-velorio.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-13.jpg Terezinha, mãe de Eduardo, emocionada no velório do filho no bairro Vermelhão, em Corrente-PI
    Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-12.jpg Terezinha com o filho Leonardo que mora em Cristalândia e acompanha o velório do irmão
    Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-11.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-10.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-9.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-8.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-7.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-6.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-5.jpg Terezinha se emociona ao ver um vídeo em homenagem a Eduardo no celular
    Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-4.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-3.jpg Corpo de Eduardo é velado na casa da tia, no bairro Vermelhão, em Corrente-PI
    Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio-2.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • corrente-velorio.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde

A defesa do Policial Militar acusado de matar o garoto piauiense Eduardo Ferreira, entrou com um habeas corpus trancativo no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). A alegação é que o Ministério Público fez a denúncia em meio a "pressão da sociedade e da mídia". O recurso está parado na 2ª Câmara Criminal após um dos três desembargadores pedir vista do processo. A relatora é a desembargadora Rosa Helena Penna Macedo Guita.

Caso o habeas corpus seja aceito, o processo deve ser arquivado e o policial Rafael de Freitas Monteiro Rodrigues, acusado de matar Eduardo no dia 2 abril de 2015, com um disparo de fuzil no Complexo do Alemão, deixará de responder pelo homicídio. Ele está em liberdade.

A mãe do garoto, Terezinha Maria de Jesus, que mora em Corrente, cidade natal da família e onde Eduardo foi enterrado, disse que teme pelo caso. "Não é justo. Não pode chegar na minha porta, matar meu filho e ficar por isso mesmo", disse ao portal R7.

O inquérito da Polícia Civil diz que o policial matou o garoto sem querer durante confronto com traficantes. O menino estava brincando na porta de casa e supostamente na linha de tiro.

O caso ganhou repercussão com manifestação da Anistia Internacional, que repudiou o resultado do inquérito

Hérlon Moraes (Com informações do R7)
redacao@cidadeverde.com