Cidadeverde.com
Diversidade

"O receio de revelar a orientação sexual ainda é grande", aponta Grupo Matizes sobre pesquisa do IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta quarta-feira (25), uma pesquisa inédita sobre a orientação sexual de pessoas de 18 anos ou mais no Brasil. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) - Quesito Orientação Sexual, 94,8% das pessoas se declararam heterossexuais; 1,2% homossexuais; 0,7% bissexuais; 1,1% não sabiam sua orientação sexual; 2,3% não quiseram responder; e 0,1% declararam outra orientação sexual. Os dados foram coletados pelo órgão em 2019.

O número de pessoas que se declararam homossexuais no Brasil foi de 2,9 milhões, quantidade menor do que a de pessoas que não quiseram responder (3,6 milhões). "Esse alto número de pessoas que não quiseram responder pode ter relação com o receio de revelar sua orientação sexual em uma sociedade homofóbica e violenta como a que vivemos", destaca a vice coordenadora do Grupo Matizes, Marinalva Santana.

No Piauí, pelo menos 42 mil pessoas adultas se declararam homossexuais ou bissexuais, o que representa 1,7% da população do estado. Em Teresina, 18 mil pessoas se declararam homossexuais ou bissexuais, representando um percentual de 2,6%.

A pesquisa divulgou, ainda, que a população de homossexuais ou bissexuais é maior entre os que têm nível superior e maior renda. "Muitas pessoas que são lésbicas, gays ou bissexuais, quando ainda não conseguiram independência financeira, podem ter receio de assumir sua orientação sexual, visto que a reação da família tende a ser mais violenta e intolerante", acrescenta Marinalva Santana. "Além disso, de regra, as pessoas que têm a oportunidade de cursar universidade podem se fortalecer com a troca de saberes que o ambiente acadêmico permite. E uma graduação ou pós-graduação amplia as possibilidades inserção no mercado de trabalho", completa.

O IBGE informou que os resultados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) foram divulgados em caráter experimental e acompanham experiências internacionais semelhantes. Não foram coletados dados sobre identidade de gênero, mas o Instituto estuda metodologia para incluir esse tema em suas pesquisas