Cidadeverde.com
Diversidade

A escritora e editora Marleide Lins é a homenageada da BALADA LITERÁRIA DO PIAUÍ – 2022

A Balada literária nasceu em 2006, em São Paulo, idealizada e organizada por Marcelino Freire, retoma de forma presencial. No Piauí ela acontece desde 2017, organizada pelo escritor Wellington Soares. Em sua primeira versão a Balada Literária - Piauí homenageou Torquato Neto, e nos anos seguintes o poeta Elio Ferreira, Graça Vilhena e o coreógrafo Marcelo Evelin. Para Marleide Lins é uma honra ser a homenageada neste grande evento literário, especialmente, neste ano tão atípico, saindo de uma pandemia e de tempos sombrios politicamente. Para ela a literatura é um bálsamo que anima e que transforma a pessoa e a sociedade, além de ser um espelho de uma época e de um lugar.

A Balada homenageia, também, in memoriam, o poeta Miró Muribeca, de Recife, e o samba.

Entre a vasta programação durante todo o dia 11, a partir das 7:30, destaca-se aqui presença da homenageada Marleide Lins.

8:30 – Abertura

9h - Lançamento Livro Florilegium, de Marleide LIns

10 – Mesa-redonda: As múltiplas facetas da obra de de Marleide Lins, com a percepção estética  das professoras doutoras Algemira Mendes, Assunção Sousa e do professor doutor Feliciano Bezerra, todos da UESPI.

- Líteromusical com Cláudia Simone, Sônia Terra e Adalmir Miranda e Allysson Torres.

- DIA 13, em São Paulo, será o lançamento do livro “LIRISMO ANTROPOFÁGICO e OUTRAS ISCAS MINIMALISTAS, de Marleide Lins.

A noite fica por conta do Grupo Coisa de Nêgo, Teófilo Lima, Preto Kedé, Samba no Coreto e a atração nacional Fernanda Jacob.

 

SOBRE MARLEIDE LINS:

Marleide Lins de Albuquerque nasceu em São Paulo. Reside em Teresina, onde foi agraciada com os Títulos de cidadania teresinense e piauiense. É escritora e editora da AVANT GARDE EDIÇÕES. Membro-fundadora da ACAPP – Academia Piauiense de Poesia e da AJEB – Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil – PI.  Desenvolve projetos de pesquisa e registro editorial sobre a temática “Identidades e diversidade cultural”, em parceira com Instituições Brasileiras e Estrangeiras. Organizou várias publicações sobre literatura e gênero, em especial, a “I Antologia feminina de literatura piauiense: século XIX a contemporaneidade” e “A mulher na literatura latino-americana”, em parceria com Algemira Mendes. Pela a Avant Garde Edições edita também, em parceria com o Grupo Matizes, a série, Letras da diversidade.

Pelo teor investigativo, científico e cultural da série “Identidades e diversidade cultural”, recebeu as chancelas internacionais: Ano Brasil – Portugal / 2012 – 2013, com a obra “Identidades e diversidade cultural, patrimônio arqueológico e antropológico do Piaui-Brasi e Alto Ribatejo - Portugal”, e o Selo Cultura Europeia / Projeto Europeu de Artes e Gestos Humanos – Gestart / 2014, com a obra “Identidades e diversidade cultural, Etnia e gênero”.

Em 2016/2017, pela “Associazone Global Solidarietà” de Ravenna – Itália realizou pesquisa sobre “Movimentos migratórios”, em Casas de acolhimento para refugiados de países da África. Entre 2019/2020 realizou pesquisa sobre transsexuais brasileira que migram para a Itália / instituição  “Terra Mia” e Associazione Libellula de Roma. Em janeiro de 2020 lançou o livro de contos Ciclo di Archangelo  Gabriella, nas cidades italianas, Ravenna, Viareggio e Roma. Em 2020 participou do Focus – Roma.

Marleide Lins realiza a FLIQ – Feira do Livro Infantojuvenil e de quadrinhos, SALEM – Salão de Letras da Mulher e a FLID – Feira da Diversidade.

Publicou os livros de poemas: Subvivo (1979); Sem plano e sem piloto (1986); Oito para ela (1992); Os sinos q dobravam em silêncio (1997); Externo-interno (2002); Plexo solar (2010), A Galinha desamorosa (2015) e Lirismo antropofágico e outras iscas minimalista (2016). O livro de conto: Ciclo di Archangelo  Gabriella (2020).

Marleide Lins foi agraciada com a “Comenda Ordem Estadual do Mérito Renascença” / Governo do Estado do Piauí, “Medalha do Mérito e do Prêmio Cultural”, concedida pelo Conselho Estadual de Cultura, e a honraria “Homenagem da Sessão Solene Contra A LGBTFOBIA”, “pela atuação em prol dos direitos humanos”, concedida pela Assembleia Legislativa e proposta pelo DEP. Fábio Novo.