Cidadeverde.com
Diversidade

Matizes e Associação de Travesti participam de palestra para Curso de Formação de Sargentos

  • PALESTRAS_PM_1.jpg
  • PALESTRA_PM_5.jpg
  • PALESTRA_PM_4.jpg
  • PALESTRA_PM_3.jpg
  • PALESTRA_PM_2.jpg

O Grupo Matizes e a Associação de Travestis do Piauí – ATRAPI participaram ontem (15) do ciclo de palestras para os alunos do Curso de Formação de Sargentos PM/PI. O evento aconteceu no Cine Teatro da Assembleia e contou com a presença do Comandante Geral da PM/PI, Cel. Lindomar Castilho, na solenidade de abertura.

Em sua fala, o Comandante ressaltou a importância da formação continuada na vida profissional dos policiais militares: “A cada turma que a Polícia Militar vai formando, vamos inovando e preparando para a modernidade. Esse curso de formação para Sargentos será diferencial na vida funcional de cada um e da Polícia Militar”, destacou o Cel. Lindomar Castilho.

Além do Comandante Geral, estiveram presentes na solenidade de abertura o Diretor de Ensino, Instrução e Pesquisa (DEIP), Cel. Silva Ramos, o Assistente Militar do Comando-Geral da PMPI e Diretor do Centro de Educação Profissional, Tenente-Coronel Sá Júnior, e demais oficiais e alunos do Curso de Formação de Sargentos.

Coordenadora do Matizes e Presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Marinalva Santana, foi a primeira palestrante do dia, dialogando com os policiais presentes sobre especificidades das pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) e também destacou aspectos importantes a serem considerados em procedimentos policiais direcionados aos grupos de pessoas que se encontram com maior vulnerabilidade a violações de direitos, especialmente os LGBT.

“O que defendemos aqui é que a abordagem policial seja respeitosa, sem truculência. As convicções religiosas e/ou os preconceitos do PM não podem servir de salvo-conduto para que esse agente de segurança se afaste dos imperativos legais, que obriga a todo servidor público agir com urbanidade e respeito no desempenho de seu mister. Para a Polícia Militar fazer jus a seu lema, de ser a guardiã da sociedade, é preciso, primeiro, que ela seja guardiã das liberdades individuais, pontuou Marinalva.