Cidadeverde.com
Política

Governadores do Nordeste abrem fórum em Teresina com críticas a Temer

Imprimir
  • nordeste3.jpg Wilson Filho
  • nordeste7.jpg Wilson Filho
  • nordeste5.jpg Wilson Filho
  • nordeste4.jpg Wilson Filho
  • nordeste2.jpg Wilson Filho
  • nordeste1.jpg Wilson Filho
  • governador21.jpg Wilson Filho
  • governador20.jpg Wilson Filho
  • governador19.jpg Wilson Filho
  • governador18.jpg Wilson Filho
  • governador17.jpg Wilson Filho
  • governador16.jpg Wilson Filho
  • governador15.jpg Wilson Filho
  • governador14.jpg Wilson Filho
  • governador13.jpg Wilson Filho
  • governador12.jpg Wilson Filho
  • governadores10.jpg Wilson Filho
  • governadores9.jpg Wilson Filho
  • governadores8.jpg Wilson Filho
  • governadores7.jpg Wilson Filho
  • governadores6.jpg Wilson Filho
  • governadores5.jpg Wilson Filho

Dos nove governadores do Nordeste, oito já estão em Teresina para reunião que irá discutir um plano regional de segurança pública. O início do encontro tem sido marcado por críticas ao governo federal.

Os governadores se mostram insatisfeito e criticam a falta de uma política de Segurança pública nacional. Eles afirmam que o governo federal tenta passar a responsabilidade da segurança para Estados e municípios.

De acordo com o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), é preciso uma ação integrada com a participação da União e Estados.

"Aumentou muito a taxa de homicídio que é o crime contra a vida. No caso da  Paraíba dobrou. Triplicou no prazo de apenas sete anos. Não consigo vê a redução da violência como o governo federal colocou. Falta o principal que é a política pública de segurança", disse.

Segundo ele, a base de toda violência é o tráfico de drogas. Para enfrentar é preciso a unificação das estruturas de segurança. "A rota entra pelas fronteiras. A União tem que ser á responsável pela guarda das fronteiras. É preciso uma unificação básica mínima das forças de segurança. Tem que ter um controle nas fronteiras. Isso passa pela presença do governo federal. Os grupos organizados não respeitam divisas. A segurança é sim responsabilidade do governo federal que tem que assumir isso", afirmou.

A secretaria de Justiça do Ceará, Socorro França, afirma que a situação do sistema prisional de todo país é  um caos. "Os Estados não podem resolver isso sozinhos. Eles precisam da ajuda do governo federal. Precisamos do Fundo Constitucional da Segurança. Não um empréstimo, mas um fundo. O governo federal precisa ser sensível a isso", disse.

Os governadores se colocam contra a proposta do governo do presidente Michel Temer de um empréstimo para os Estados. Eles afirmam que é mais uma forma de endividar os Estados. Os governadores querem o fundo.

Neste momento, estão sendo aguardados os governadores do Maranhão, Rio Grande do Norte e Alagoas. Os demais já estão com o governador Wellington Dias em uma sala reservada.

Uma das propostas dos governadores é ação integrada com a criação de uma "Força Tática do Nordeste" para reduzir os assaltos e homicídios. 

O encontro acontece no Coco Bambu e a previsão é encerrar por volta das 12h.

Governadores presentes:

Robinson Barreto (MDB) - Rio Grande do Norte
Renan Filho (PSD) - Alagoas
Rui Costa (PT) - Bahia
Flávio Dino (PC do B) - Maranhão
Ricardo Coutinho (PSD) - Paraíba
Camilo Santana  (PT) - Ceará
Paulo Câmara (PSB) - Pernambuco
Wellington Dias (PT) - Piauí
O governador de Sergipe faltou - Jackson Barreto (MDB) - mas, enviou o vice.

O objetivo do encontro é discutir a implementação de um plano de segurança comum a todos os Estados. Os chefes de Estado também analisará a criação de um fundo nacional para segurança. A proposta foi apresentada pelo governo Federal, na última quinta-feira (1º), em reunião com os líderes estaduais de todo o Brasil. Ao término do encontro, uma coletiva de imprensa está agendada, a partir do meio dia. 

Na oportunidade, os governadores irão ler a Carta de Teresina com os pontos aprovados na reunião.

 

Flash Lídia Brito
[email protected]

Imprimir