Cidadeverde.com
Últimas

Livro é prova no caso do crime de estudante morto e amarrado

Imprimir

Foto: Reprodução; Reprodução Italo Rodrigo

Uma das provas que chegou à delegacia do Menor Infrator no caso do estudante que confessou matar um colega de escola, foi o livro "Mentes Perigosas: o psicopata mora ao lado", da  psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva. É a primeira vez que a delegacia recebe nos autos do processo um livro como peça do crime.

O livro foi apreendido na última terça-feira (16) logo após o crime no residencial Teresina Sul. Além do livro chegou também o celular da vítima e a faca, que seria o instrumento do crime. 

Agentes da Delegacia do Menor Infrator informaram ao Cidadeverde.com que o inquérito será concluído na segunda-feira (22). 

O adolescente R.B.F.C, 16 anos, confessou e a investigação realizada pela Delegacia de Homicídios foi encaminhada nesta sexta-feira (19) à delegada Betânia Prazeres, que preside o inquérito na Delegacia do Menor Infrator, no bairro Redenção. 

Como chegou novas provas, o inquérito só será concluído na segunda. 

A juíza Elfrida Costa, da 2ª Vara da Infância e da Juventude informou ao Cidadeverde.com que vai aguardar a representação do Ministério Público para decidir os próximos passos.

Laudo cadavérico revelou que o adolescente foi morto com cinco facadas: duas no pescoço e três nas costas. O diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Francisco Costa, o Baretta, informou que o inquérito reúne um conjunto de provas que atestam a autoria do crime. 

R.B.F.C foi apreendido ainda no dia do crime e chegou a confessar o assassinato. O delegado Baretta conta que o jovem tinha compulsão por matar e se sentia feliz vendo o sofrimento alheio. 

A polícia o considera como um “indivíduo perigoso” e com perfil psicopata.  “O inquérito reúne laudo cadavérico, laudo de exame em local de crime e recognição visual gráfica que mostra o visual do lastro probatório apurado na investigação. O meritíssimo juiz e o Ministério Público receberão uma peça com robustez para dar caminho a toda instrução criminal desse apurado que envolve esse adolescente”, adianta Baretta. 

O adolescente deve ser indiciado por ato infracional análogo a homicídio qualificado. 

“Esse rapaz tem fixação e matar e demonstra felicidade em matar. E não é só matar, mas observar o sofrimento da vítima”, acrescenta Baretta.

 

Yala Sena e Izabella Pimentel 
redacao@cidadeverde.com

Imprimir