Cidadeverde.com
Geral

Operação da polícia prende três suspeitos de envolvimento no atentado a vereador

Imprimir

Fotos: Reprodução WhatsApp

Atualizada e ampliada às 11h

Três pessoas foram presas suspeitas de envolvimento no atentado contra o vereador  Luís Alves Gonzaga, de 56 anos, em Alagoinha do Piauí (a 385 km de Teresina), numa operação deflagrada nesta quinta-feira(24) na cidade. Os presos foram identificados como os irmãos Aldenir Ladislau de Sousa, Aquiles Ladislau de Sousa, que teriam supostamente cometido o crime por vingança. O terceiro, Joaquim Vicente Rodrigues, foi preso por porte de arma. Todos são agricultores.

O parlamentar, conhecido como Luisão, que é presidente da Câmara, foi alvo de uma emboscada na última sexta-feira(18) numa estrada vicinal entre o município e São Julião. Dois homens teriam dado mais de 20 tiros na caminhonete que ele estava, mas ele conseguiu sobreviver.

Além das três prisões, foram apreendidas cinco armas, fruto de mandados de busca e apreensão.  De acordo com o delegado Aureliano Barcelos, da delegacia de Pio IX, além das armas foram apreendidos outros objetos supostamente utilizados no crime. “A investigação vai prosseguir para identificar todos os envolvidos nesse atentado ao vereador”, afirmou.   

Ele dissse ainda que, Aldenir e Aquiles são irmãos de Antônio Ladislau de Sousa, conhecido como Antônio de Lela, que foi assassinado em setembro. 

“Está sendo investigado como a motivação do atentado, porque parece que os irmãos do Antônio de Lela desconfiaram que o Luisão era o mandante do assassinato dele, ai supostamente tentaram vingar. Só que as investigações iniciaram agora, com as prisões, coletando mais provas, apreendendo celulares, armas foram apreendidas, então no decorrer do inquérito é que vamos comprovar a participação deles ou não”, informou o delegado ao Cidadeverde.com

O delgado Aureliano Barcelos disse que a morte de Antônio De Lela também está sob investigação, mas não revelou detalhes. 

O Gerente de Polícia do Interior, delegado Marcelo Leal, completou que as prisões são temporárias. As cinco armas de fogo foram encontradas nas casas dos presos. 

“O crime aparenta ser de encomenda. Estamos trabalhando para que crimes de pistolagem não voltem a acontecer naquela região. Principalmente porque o próximo ano é eleitoral”, disse Marcelo Leal.

O vereador não quis comentar as prisões. “Vou tomar conhecimento da operação ainda quando for a Pio IX. Não quero dar entrevista agora”, disse o vereador ao Cidadeverde.com.

A operação, denominada como Pronta-Resposta, contou com o apoio do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) da Polícia Civil, que enviou uma unidade da Divisão de Operações Especiais. Também participam das diligências, em apoio, policiais militares lotados naquela região. 

"Desde que tomamos conhecimento dos fatos, procuramos dar resposta à altura da gravidade daquela ocorrência. Queremos parabenizar o trabalho do delegado Aureliano Barcelos e os seus investigadores daquela regional, que estão bastante empenhados no caso", afirma o Delegado Geral de Polícia Civil, Luccy Keiko Leal Paraíba.


Caroline Oliveira
[email protected]

Imprimir