Cidadeverde.com
Geral

Contra banco de horas, motoristas apresentam contra-proposta ao Setut

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

As negociações entre os trabalhadores rodoviários e o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina (Setut) se estendem por mais uma semana. A categoria se reuniu em assembleia nesta sexta-feira e lançou uma nova proposta em que aceitam os 4,48% de reajuste com base no INPC (Índice de Preço ao Consumidor) e são contra a implantação de banco de horas.

“Fechamos o reajuste com base no INPC de 4.48%, mudança da data base de janeiro para maio e manutenção da convenção coletiva de 2018. Caso não haja negociação até as 18h de segunda-feira (10), vamos convocar greve por tempo indeterminado”, explicou o diretor do Sintetro, Francisco Sousa.

Além do reajuste, outro ponto forte na negociação são as regras que foram alteradas com a Reforma Trabalhista. Motoristas e cobradores reclamam da criança e banco de horas por parte das empresas.

“A Convenção Coletiva de 2018 é o nosso trunfo, ela garante a jornada de trabalho de 7h20. Nós temos garantido que o adiantamento é no dia 20 e pagamento até o dia 5. Garantia que somos mensalista e não diaristas ou horista”, explicou o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Rodoviários do Piauí (Sintetro).

A categoria também quer que o Setut garanta que independente da decisão que tramita no Tribunal Superior do Trabalho (TST) o reajuste de 4,48% seja efetivado. 

Segundo o Sintetro, a categoria está em assembleia permanente e até 72h para iniciar a paralisação caso a greve seja deflagrada. Se não houver acordo e a categoria iniciar o movimento paredista no início da semana, a greve só iniciaria a partir de quinta-feira (13)

O Cidadeverde.com entrou em contato com o Setut que informou que não irá se manifestar sobre a negociação. 

Valmir Macêdo
[email protected]

Imprimir