Cidadeverde.com
Cidades

Escola homenageia crianças mortas em tragédia no rio Parnaíba

Imprimir

Alunos da Escola Municipal Francisco Alves Carvalho realizaram na manhã desta quinta-feira (1º), uma série de homenagens às crianças que morreram afogadas no Rio Parnaíba no último domingo (28), na cidade de Nazária. Três das cinco vítimas estudavam na instituição. 

No pátio do colégio, alunos, professores e funcionários se reuniram, leram mensagens, poemas e fizeram orações. Já na frente da escola, segurando balões verdes, azuis e branco, os estudantes cantaram algumas músicas.  

O diretor da escola, Francisco Orismar, contou que o dia foi marcado por muita emoção e com dinâmicas de conforto e superação aos alunos. 

"Tivemos uma programação de retorno marcada com muita emoção e homenagens às crianças que partiram. Está sendo um momento de reflexão com reza, orações, louvores,  poemas, e outras dinâmicas positivas de superação e de conforto para os amigos e familiares. Nossa homenagem é singela, espontânea com a participação de toda nossa equipe juntamente com nossos alunos", disse.

Na escola, estudavam Marcos Vinícius Santos, de 8 anos e as irmãs Ana Ketlelly da Conceição Silva, de 8 anos e Eduarda Kemylly da Conceção Silva, de 9 anos. 

Foto: Reprodução

O caso

Cinco crianças e adolescentes na faixa etária de 8 a 16 anos estava tomando banho próximo a coroa do rio Parnaíba, no trecho da cidade de Nazária, quando despareceram. A tragédia abalou toda o município de Nazária e gerou comoção nacional

Na segunda-feira (29), o primeiro corpo encontrado foi o de Marcos Vinícius, de 8 anos, o segundo foi de Vitória Emanuelle, de 13 anos e o terceiro corpo foi do adolescente José Cruz, de 15 anos.

Já o corpo das irmãs Ana Ketlelly, de 8 anos e Eduarda Kemylly, de 9 anos, foram encontrados na terça-feira (30), no povoado Cerâmica Cil, zona rural de Teresina, preso a galhos nas margens do rio Parnaíba. 

Todos os envolvidos na tragédia são da mesma família. Das três mães, duas são primas e uma é tia delas. A tia é mãe do adolescente José Cruz.

 

Rebeca Lima
[email protected]

 

Imprimir