Cidadeverde.com
Geral

Polícia monta estratégia para frear crimes violentos e sequência de mortes em Teresina

Imprimir

Foto: Renato Andrade/ Cidadeverde.com

O delegado-geral da Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko, anunciou que foi montada uma estratégia para combater crimes violentos em Teresina. Entre as ações intensificadas a partir desta terça-feira (24) estão abordagens nas áreas consideradas "mais quentes" e o cumprimento de mandados judiciais relacionados a crimes violentos e ao tráfico de drogas. Nas  últimas horas, em um intervalo aproximado de 7 horas, foram registrados cinco assassinatos na Capital, sendo um desses casos triplo homicídio. 

Foto: Renato Andrade/ Cidadeverde.com

"Considerando as últimas mortes ocorridas em Teresina, o secretário determinou ações imediatas por parte da Polícia Civil e da Polícia Militar, no sentido que ambas as institiuições se integrem, mais ainda, para reprimir esse crimes. Traçamos estratégias para um enfrentamento mais roubusto em relação a crimes como roubo, tráfico de drogas e homicídios. Também nos reunimos na Central de Inquéritos, onde são expedidos as medidas cautelares para cobrar mais agilidade", enfatiza o delegado-geral. 

A estratégia para frear ações violentas foi definida em reunião com representantes das Forças de Segurança nesta terça-feira (24).

O coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Francisco Costa, o Baretta, ressalta que a especializada vai continuar investigando e realizando prisões. Ele é enfático ao declarar que o "Piauí nunca permitiu que se criassem bandidos".

Foto: arquivo Cidadeverde.com

"Quando ocorre um crime de homicídio há um clamor muito grande, pois a vida é um bem indisponível. Vamos fazer diligências investigativas identificando e prendendo criminosos como sempre fizemos no DHPP. Investigar, identificar e prender. Fazemos isso e vamos continuar fazendo rotineiramente, continuadamente. Vamos prender!  A reunião foi muito proveitosa. O secretário de Segurança, Chico Lucas, é de muita ação e pouca falação e demonstrou imensa vontade em resolver o problema da Segurança Pública", diz o coordenador do DHPP.

Sobre a sequência de mortes, Baretta diz que já há uma linha de investigação com indicativo de autoria e chama atenção para a necessidade de integração entre a polícia judiciária com o Ministério Público e a Justiça. 

"Temos uma linha de investigação com indicativo de autoria, mas dependemos de uma ação do poder judiciário e do Ministério Público. Os delegados já estão representando pelas medidas cautelares. O bandido trabalha na ilegalidade, mas a polícia- como não pode deixar de ser- sempre pauta na legalidade. Se todo mundo limpar sua calçada, ao final do dia teremos uma rua limpa", finaliza Baretta. 

 

Graciane Araújo
[email protected] 

Imprimir