Cidadeverde.com

Moradores temem rompimento do Caldeirão, mas Dnocs afirma segurança da estrutura

  • caldeira_tiago_2.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde
  • caldeirao_francisco6.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde
  • caldeirao_francisco5.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde
  • caldeirao_francisco4.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde
  • caldeirao_francisco3.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde
  • caldeirao_francisco2.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde
  • caldeirao_francisco1.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde
  • caldeirao_francisco.jpg Francisco Rebelo e Tiago Melo /TV Cidade Verde

Atualizada às 19h02

Os moradores de Piripiri temem que a estrutura do Açude Caldeirão não suporte as fortes chuvas que atingem o município e venha a romper na região. Equipes da Prefeitura de Piripiri e do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) visitaram o açude neste sábado (07) para avaliar a situação. O local também é considerado ponto turístico; barracas ficaram alagadas. O prefeito de Piripiri Luiz Menezes decretou situação de emergência no município. 

Ao Cidadeverde.com, o coordenador do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs) no Piauí, Djalma Policarpo, informou que o açude, neste momento, não possui problemas estruturais alarmantes.  Na próxima terça-feira (10), o projeto já previsto de modernização deverá ser iniciado. 

O Açude Caldeirão assustou os moradores e os órgãos do municipais porque a quantidade de água aumentou consideravelmente pela manhã, mas houve uma pequena redução na tarde de sábado. 

"A barragem está 'tranquila'. O problema não é de estrutura. É de projeto. A lamina de capacidade do sangradouro tem altura de 1.50m por 60 de largura. O Dnocs deixou uma folga 50 cm de altura. A capacidade que é de 1.50 chegou a 1.69, faltando 31cm para atingir essa capacidade do sangradouro pela manhã, mas agora pela tarde já houve redução para 1.44", comentou Policarpo.

O diretor ressaltou que se houver mais chuvas nas próximas horas, o Dnocs já deixou no município uma retroescavadeira hidraulica. "Deixamos de prontidão esse equipamento caso chegue a capacidade máxima e se houver a necessidade de alargamento, por segurança". 

Um morador conversou com o Cidadeverde.com e relatou a sua visão sobre a situação. "A tendência é que o nível do rio dos matos suba e  alague mais essas estradas. Essas águas do Caldeirão descem pelo Rio dos Matos, que passam por boa parte da zona rural. O rio dos matos se uniu a outro riacho em uma outra estrada na zona rural e tá só um lago enorme. Tá feio o negócio. Se o Caldeirão rompesse essa parte sim ficaria devastada". 

Até o momento não há informações da quantidade de desabrigados no municípios. Grupos se mobilizam em busca de doações. Veja os pontos de arrecadação: clique aqui! 

BR 343

A parte da BR 343, na região de Piripiri, que estava totalmente interditada devido o surgimento de uma cratera, foi liberada nos dois sentidos por volta das 18 horas.

O Cidadeverde.com recebeu a informação de que uma equipe da Polícia Rodoviária Federal permanece no local orientando os condutores, pois ficou uma ondulação - uma espécie de lombada -depois dos trabalhos emergenciais feitos pelo Dnit. Como trata-se de uma curva é fácil o motorista perder o controle do veículo caso esteja com a velocidade acima do permitido para a via. Há cones de sinalização no local. 

 

 


Dnocs|| Foto enviada ao Cidadeverde.com

 

Mais informações: 

Mulher morre afogada ao ter carro arrastado durante temporal em Piripiri

Vídeo: chuva extrema em Piripiri arrasta motos, cancela aulas e deixa moradores ilhados



Foto enviada ao Cidadeverde.com 

Carlienne Carpaso
[email protected]