Cidadeverde.com

Casal é morto a tiros horas após confusão em boca de fumo

(Fotos: Portal de Campo Maior)

Um casal foi assassinado a tiros enquanto dormia em um terreno baldio no bairro Flores, na cidade de Campo Maior, interior do Piauí. Os corpos de Tales Bruno de Sousa Araujo, 22 anos, e Janiele Soares Castelo Branco, 25 anos, foram encontrados em uma rede na madrugada desta quinta-feira (30). De acordo com a PM, horas antes de serem mortos, os dois haviam sido conduzidos à delegacia após confusao em um ponto de venda de drogas.

"Ontem à tarde, os dois foram presos pela PM porque teriam invadido uma casa que agora descobrimos que é uma boca de fumo. Lá, eles lesionaram uma mulher a tesouradas. Os dois foram levados para a delegacia, asssinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e foram liberados, pois ficou caracterizado como lesão corporal leve", explica o major Etevaldo Alves, comandante do 15º BPM. 

De acordo com o militar, o casal tinha residência fixa, mas devido a supostas ameaças não dormiu na residência na noite de ontem (29). A Polícia Civil investiga se o crime teria sido motivado por vingança. 

Fotos: Portal de Campo Maior

"O crime pode ter sido um acerto de contas. A Polícia Civil vai investigar. Pelas marcas encontradas no local, o casal foi morto com disparos de revólver. O rapaz já havia sido preso, anteriormente, por posse de entorpecentes. Os dois eram primos, mas mantinham um relacionamento conjugal e deixam filhos menores de idade", conta o major.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Polícia Militar prende um dos maiores arrombadores de Campo Maior

Policiais Militares do 15° BPM prenderam, por volta das 23h00 dessa segunda-feira (27/08), um homem identificado por Francisco Valderi Araújo da Silva, considerado pela polícia como um dos maiores arrombadores de Campo Maior.

Valderi foi preso no momento em que estava dentro de um estabelecimento comercial no bairro de Fátima. De acordo com os policiais, uma pessoa percebeu a porta do comércio aberta e ligou para a Polícia Militar, que ao chegar ao local encontrou o suspeito com várias sacolas repletas de mercadoria e dinheiro em espécie, preparando-se para fugir numa motocicleta. Foi dada voz de prisão e o homem foi encaminhado para a delegacia.

Valderi já foi preso várias vezes pelo mesmo tipo de crime, com passagem, inclusive, pela Casa de Custódia, de onde saiu recentemente e estava na liberdade condicional.

"A especialidade dele é praticar arrombamentos, geralmente no período da noite. Vários arrombamentos que ocorreram recentemente em Campo Maior são atribuídos a ele", informou o Major Etevaldo, Comandante do Batalhão de Campo Maior.

O Sargento Alencar, juntamente com os soldados Lobão, Façanha e Warney, foram os responsáveis pela prisão do acusado.

Fonte: campomaioremfoco

CRM-PI fiscaliza Hospital e constata que faltam recursos e medicamentos

  • crn_(1).jpg CRM-PI
  • crn_(2).jpg CRM-PI
  • crn_(3).jpg CRM-PI
  • crn_(4).jpg CRM-PI
  • crn_(5).jpg CRM-PI
  • crn_(6).jpg CRM-PI
  • crn_(7).jpg CRM-PI
  • crn_(8).jpg CRM-PI
  • crn_(9).jpg CRM-PI
  • crn_(10).jpg CRM-PI
  • crn_(11).jpg CRM-PI
  • crn_(12).jpg CRM-PI
  • crn_(13).jpg CRM-PI

A direção do Conselho Regional de Medicina (CRM) esteve no Hospital Regional de Campo Maior para uma fiscalização, após divulgação de um áudio sobre denúncias de falta de recursos e medicamentos, e constatou as irregularidades. O áudio, vazado de um grupo de whatsapp, seria supostamente da diretora geral da unidade Jardênia Ribeiro. 

A fiscalização foi realizada pela presidente do Conselho, Mírian Palha Dias Parente, o vice-presidente Dagoberto Barros da Silveira, além do promotor de Justiça da Comarca de Campo Maior, Maurício Gomes de Sousa, e corpo técnico do CRM-PI, que ouviu da direção do hospital que os recursos não estão sendo suficientes para cobrir as despesas necessárias com insumos e medicamentos. Também falta uma série de medicamentos e a escala médica encontra-se reduzida, principalmente para algumas cirurgias.

O diretor financeiro do hospital, Robert Sousa Alves, teria informado ao CRM que mensalmente os fornecedores estão sendo pagos apenas com parte da dívida, pois o montante do recurso que chega não é suficiente para cobrir as despesas com insumos e medicamentos. 

Segundo o Conselho, neste mês de agosto, o recurso que entrou na conta do hospital foi de R$ 402 mil (referente a julho), aproximadamente R$ 239 mil são para pagar a folha de pagamento, além de outras despesas e somente sobram R$ 70 mil para pagar fornecedores, recurso nem de longe suficiente para tal. A direção destacou que são necessários mensalmente, um montante de R$ 120 mil somente para a compra de medicamentos e material hospitalar. Também foi informado que a dívida com fornecedores de janeiro a agosto desse ano já passa de R$ 400 mil.

A fiscalização constatou ainda que o hospital que possui 110 leitos, conta com 140 profissionais, grande parte sem nenhum vínculo e nem contrato trabalhista, mas que recebem salários, entre eles médicos, enfermeiros, técnicos e pessoal de serviços gerais. 

“Recentemente, um dos fornecedores de material descartável para a distribuição de quentinhas da cantina do hospital deixou de fornecer por falta de pagamento. A fiscalização não registrou falta de alimentos para manter o hospital, no entanto, a farmácia conta com uma lista com vários medicamentos que estavam em falta no momento da fiscalização. Outro problema observado foi que não foi renovado o contrato com a empresa responsável pelos dosímetros de radiação, utilizados pelos técnicos em radiologia por falta de verba, comprometendo a proteção contra danos à saúde daqueles profissionais”, diz a nota do CRM-PI sobre o hospital de Campo Maior.

Também foi observado que o hospital não conta com nenhuma ambulância de suporte avançado, apenas duas ambulâncias básicas e no momento da fiscalização, somente uma ambulância se encontrava presente e em péssimas condições de uso.  

As cirurgias de algumas especialidades médicas, como ortopedia não são realizadas diariamente, como se espera em um hospital regional, que atende Campo Maior e mais 15 municípios circunvizinhos. Quando não é possível realizar alguns tipos de cirurgias, os pacientes passam por regulação e são transferidos para Teresina.  

“O hospital também enfrenta vários problemas estruturais, como infiltrações, paredes e tetos deteriorados e as enfermarias possuem ar condicionados quebrados e os pacientes enfrentam o calor usando ventiladores”, especifica a nota do CRM.


cidades@cidadeverde.com

Secretário de Saúde nega fechamento de leitos após vazamento de áudio


O secretário Estadual de Saúde, Florentino Neto, negou nesta quarta-feira (22) qualquer transferência de pacientes e o fechamento de leitos de internação do Hospital Regional de Campo Maior, município a 78 km da capital.

A declaração ocorreu após o vazamento de um áudio atribuído a diretora da unidade, Jardênia Ribeiro, que declara não só o fechamento dos leitos, como a transferência de pacientes através da regulação e ainda a falta de medicamentos e até de alimentos na unidade. 

"Eu chamei a diretora aqui para ouvir dela as observações e o que motivou esse posicionamento dela, porquê efetivamente o relacionamento que a Sesapi tem com o hospital não condiz com o que está no áudio. Não há fechamento de leitos e queremos tranquilizar a população de que não existe sequer a possibilidade do fechamento de leitos", garantiu o gestor.

O secretário explica que a administração dos hospitais é feita diretamente pela direção local que é supervisionada pela Secretaria e segundo ele, atualmente o hospital possui um saldo de R$ 500 mil em sua conta-corrente, o não é compatível com as informações do áudio vazado.

"O Hospital de Campo Maior tem sido um hospital que tem recebido investimentos, sido beneficiado com entrega de equipamentos e foi um dos hospitais que desempenhou muito bem todos os mutirões. É muito bem avaliado, e a diretora coloca questões que tem um certo distanciamento do que estamos verificando. O recurso está na conta do hospital", garante Florentino.

O áudio

No áudio obtido pelo Cidadeverde.com, a diretora afirma que a transferência será encaminhada pela regulação e que a unidade corre o risco ainda de ter outros setores fechados, mediante o repasse dos recursos. Ela acrescenta que a unidade não tem recebido repasses e atesta a "falência" da unidade por falta de investimentos. Leia a transcrição de parte do áudio:

"Campo Maior hoje está fechando 30 leitos e passa hoje a transferir todos os seus internados com uma complicação maior, que precisa de internação. Nós estamos sem medicamento, sem insumos, sem medicação e não temos condição de manter paciente internado. A orientação da equipe é que vá fazer atendimento até 18h e no momento de internação seja feita regulação.[...] Nós estamos fazendo o que podemos e nesse momento estamos fechando esses 30 leitos pra que a gente tenha condições de alimentar e dar medicamentos aos que vão ficar e é só isso. Essa semana a gente faz isso, se as coisas acontecerem, se o dinheiro chegar e a gente conseguir pagar nossos fornecedores, as coisas vão se normalizar. Caso contrário, a gente vai fechando aos poucos cada setor. Estamos com estoque de medicamento, insumo e até de limpeza baixo e não temos mais fornecedor. Os licitados já pararam de fornecer e mudamos pra fornecedores alternativos e eles não querem mais atender e por último perdemos o fornecedor de alimentos e material de limpeza. Dessa forma a gente não tem como fazer esse atendimento que precisam e que aqui a gente faz[...] Estou oficializando o senhor secretário através de ofício informando a necessidade, a carência e a falência praticamente do hospital que não recebe recurso para que possa se sustentar", afirmou a diretora.

Foto: Divulgação

Áudio vazou de grupo

Em contato com o Cidadeverde.com a assessoria de imprensa da unidade informou que o áudio foi vazado de uma conversa em um grupo de diretores de hospitais do Piauí e ainda  que ele teria sido editado para ser usado fora de um contexto.

A assessoria informou também que os leitos não serão fechados mas que haverá um remanejamento de pacientes, já que o hospital opera além da sua capacidade. Segundo números divulgados pelo próprio hospital, atualmente há 140 pacientes quando a capacidade é de 110 leitos. Portanto a quantidade de pacientes sobrecarregaria o recurso. Este seria o motivo da transferência dos 30 pacientes, segundo a assessoria.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Educação inicia campanha de doação de livros em Campo Maior

Tem início nesta segunda-feira (13/08) a segunda etapa da campanha de doação de livro do projeto Heróis do Saber, em Campo Maior. São aceitos livros paradidáticos em condições mínimas para serem utilizados pelos alunos que integram o trabalho de incentivo a leitura.  Os títulos vão desde clássicos da literatura mundial até obras contemporâneas.

A professora Aucélia Ramos, coordenadora de projetos da Secretaria Municipal de Educação, explica que caixas coleta estão localizadas em supermercados, repartições públicas, escolas e na sede da SEMED. “Doe um livro, separe os paradidáticos, revistas em quadrinhos e seja um colaborador da educação de nossa cidade, e nossas crianças agradecem”, pede.

Em 2017, a campanha recebeu 1.800 livros. Os títulos foram distribuídos entre as escolas municipais, que desenvolveram projetos de leitura durante o ano. “Os livros serão doados para as escolas, porque nossos alunos já leram os livros que tem nas escolas. E no projeto deve haver uma rotatividade de leituras”, afirma Aucélia.

A secretária municipal de Educação, Conceição Lima, enaltece os resultados que o projeto já alcança. “A leitura deve acontecer de forma prazerosa, que o aluno se sinta à vontade para escolher o livro. Nós estamos conseguindo desenvolver essa cultura de leitura em nossos alunos. A leitura forma cidadão e bons profissionais do futuro”. 

O projeto 

O projeto Heróis do Saber é realizado pela Secretaria Municipal de Educação de Campo Maior junto às escolas municipais. Participam alunos do 4º ao 9º ano que têm a meta de ler dois livros por semana. Ao final do mês, o professor de língua portuguesa realiza atividades para integrar as leituras e a troca de experiências. Em seguida, projetos são desenvolvidos e apresentados nos Circuitos de Leituras.

Fonte: portaldecampomaior

Polícia prende mãe e filho por tráfico de drogas em Campo Maior

A Policia Civil por meio da 5ª Delegacia Regional de Campo Maior, com apoio de Policiais Militares do 15° BPM, deu cumprimento a um mandado de prisão preventiva, expedido pelo MM. Juiz de Direito, Dr. Muccio Meira, em desfavor de Iury Araújo, no bairro Recreio, em Campo Maior.

No momento que cumpriram o mandado, os policiais prenderam em flagrante a mãe de Iury, Ana Cristina Araújo Lima, que se encontrava no mesmo endereço, fracionando um porção de “crack”, em várias outras porções menores.

Ana Cristina, no ano de 2014, foi presa em flagrante, no mesmo endereço, pelo mesmo crime de tráfico, pelo qual foi condenada a mais de 6 anos de reclusão.

Com mais essa ação a Polícia Civil do Piauí mais uma vez demonstra à população cumprir seu papel constitucional de polícia investigativa com qualidade técnica e eficiência, fazendo o seu melhor para garantir a segurança dos cidadãos de Campo Maior – PI.

Fonte: portaldeolho

Prefeito Professor Ribinha recebe prêmio nacional de gestão

O prefeito de Campo Maior, Professor Ribinha, está entre os 100 melhores gestores municipais do Norte-Nordeste do Brasil. A escolha foi feita através de uma pesquisa nacional, realizada pela União Brasileira de Divulgação das Gestões (UBD).

A entrega do prêmio foi feita em solenidade realizada na cidade de Recife, Pernambuco, nessa manhã de sexta-feira, 27.07, durante a realização do Seminário ‘Os Melhores do Brasil por um Brasil Melhor’.

O prefeito, que estava acompanhado da primeira dama Nilzana Gomes e pelo secretário de Finanças César Robério, recebeu o Certificado de Honra ao Mérito da UBD por ter sido bem avaliado na área de Saúde, Infraestrutura, Educação, Assistência Social e Transparência, pelas realizações nessa área nos primeiros 180 dias de 2018.

O prefeito Professor Ribinha está entre os 25 gestores municipais do Piauí avaliados pela UBD no Estado.

Fonte: portaldecampomaior

Suspeito de integrar "Novo Cangaço" é preso com CNH falsa

Foto: SSP-PI

Um suspeito de integrar o Novo Cangaço, organização criminosa especializada em assalto a bancos, foi preso em Campo Maior, a 86 km de Teresina. Francisco Edivan Lopes Cavalcante, que apresentou uma CNH com nome falso, foi preso em cumprimento a um mandado judicial da Paraíba por roubo a instituição financeira. A Polícia Civil acredita que ele estaria no Piauí, possivelmente, fazendo levantamento para mais uma ação criminosa. 

"A equipe de investigação da 5ª Delegacia Regional de Polícia Civil vinha fazendo levantamento há cerca de um mês. Temos feito um trabalho preventivo para evitar que bandidos pratiquem ações criminosas. Ele havia alugado uma casa no centro da cidade e possivelmente estaria fazendo levantamento para mais um assalto a banco", explica o delegado Andrei Alvarenga. 

O suspeito, que apresentou uma CNH no nome de Eder Oliveira, já foi encaminhado ao sistema prisional e deve ser recambiado para a Paraíba. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com 

Caminhoneiro denuncia tentativas de assaltos na BR 343

Um trabalhador no serviço de transportes terrestres da região norte do Piauí, que compreende mais de 30 municípios, denunciou na segunda-feira (23), tentativas de assalto que estão acontecendo em estradas que cortam o município de Piripiri, próximo a BR-343.

Segundo o denunciante, criminosos estariam arremessando pedras contra caminhoneiros em estradas com pouca iluminação no objetivo de fazer estes pararem e descerem do veículo. Ele afirma que a prática vem se tornando comum na região: “Eu mesmo já fui atingido 3 vezes entre dois meses”, relatou a vítima.

Caminhoneiros se sentem intimidados com as ações e pedem que as autoridades policiais se atentem a esta demanda que vem acontecendo principalmente na estrada do povoado Piçarreira, em Piripiri.

Fonte: portaldeolho

Prefeitura de Campo Maior realizará concurso para agente de saúde

A Prefeitura de Campo Maior irá realizar ainda esse ano concurso público para o preenchimento de vagas para o cargo de agente comunitário de saúde. Serão destinadas 16 vagas para cidade e interior. O salário pode chegar a R$ 1.500,00 para 30 horas de trabalho.

O prefeito Professor Ribinha disse que o concurso público para contratação de agentes de saúde visa o preenchimento de vagas já existentes e que a escolha da empresa organizadora do certame será feita através de licitação. “Tudo dentro da legalidade e transparência exigido por lei. Vamos fazer um concurso organizado e transparente”, comunica Professor Ribinha.

O gestor de Campo Maior não descarta a realização de concursos em outras áreas do município, para isso já determinou aos secretários de Administração, Otalício Leite, e de Governo, Carlos Torres, para fazer um estudo de demandas da administração municipal. “Já fizemos o recadastramento de servidores e agora estamos identificando as carências e excedentes para saber que demandas de pessoal nós temos”, relata o prefeito.   

Além do concurso para agentes de saúde, o Professor Ribinha também firmou uma parceria com CIEE (Centro de Integração Estudante e Empresa), para organizar a contratação de estagiários. “Estamos organizando a contratação de pessoal em todas áreas do município”, garante o prefeito.     

Fonte: Ascom

Posts anteriores