Cidadeverde.com

Balaiada: quando a pesquisa vira um monumento

  • IMG_0818.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0817.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0816.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0815.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0814.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0813.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0812.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0811.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0810.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0809.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0808.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0807.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0806.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0805.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0804.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0803.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0802.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0801.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0800.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • IMG_0799.JPG Francisco Soares Santos Filho

Desde cedo, estudando sobre a História do Brasil, passamos por uma panorâmica visão das revoltas país afora, por motivos diversos, às vezes questões regionais, às vezes eventos relacionados às mudanças e lutas pelo poder ou contrariando regimes em curso, como no caso da Batalha do Jenipapo, que aqui no Piauí, caracterizou-se como uma luta em defesa da Independência do Brasil.

Estes momentos históricos merecem ser constantemente lembrados, não somente nos espaços acadêmicos, mas, sobretudo, nos diferentes segmentos educacionais, incluindo a possibilidade de se transformares em museus, monumentos, exposições permanentes ou outras formas de envolver a população como um todo, num processo de educação informal, inclusive. Os fatos históricos são um patrimônio de um povo, muitas vezes motivação para orgulho e recrudescimento da sua autoestima.

Ontem estive em Caxias (MA) e tive a oportunidade de conhecer o Memorial da Balaiada e o Mirante da Balaiada, situados em frente ao Campus da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). O Memorial reúne uma pequena coleção de objetos que remontam o período da Balaiada que iniciou em 1838 e foi um dos mais longos movimentos populares de revolta, fortemente reprimido pelas forças do Império. Embora muito simples, o Memorial apresenta o acervo organizado com base em pesquisa prévia, inclusive com peças resultantes de garimpo arqueológico, como é o caso de botões de roupas e insígnias militares e balas encontradas na região da fortificação construída no local e conservada dentro do sítio do Memorial.

O Memorial que foi inaugurado em 2004 recebeu uma estrutura no entorno inaugurada no ano passado pela Prefeitura de Caxias. Conhecida e visitada todos os dias da semana, o Mirante da Balaiada privilegia seus visitantes com uma bela visão da cidade de Caxias. Além do Mirante para visualização da paisagem e o Mirante dos Desejos, onde o visitante pode fazer uma fezinha e jogar uma moedinha (de acordo com a placa as moedas são recolhidas e destinadas a instituições de caridade) a área guarda um pequeno bosque, alguns viveiros com animais, lojas e lanchonetes e para os amantes da literatura pequenas placas com poesias e outros textos produzidos por poetas maranhenses espalhadas ao longo da trilha.

O Mirante e o Memorial da Balaiada são mais uma estratégia de popularização da ciência, levando aos visitantes uma experiência que só agrega aprendizado com prazer. De parabéns os pesquisadores que converteram pesquisa em informação transposta para os visitantes e a Prefeitura pela manutenção da área em excelente condição aos visitantes.

Se puder visite! Caxias está a cerca de 60 km de Teresina e é uma cidade bem agradável!

Boa semana a todos (as)...