Cidadeverde.com

Carro elétrico com painel solar tem autonomia de até 7 meses sem descarregar

Crédito: Ligthyear/divulgação

O primeiro carro elétrico da startup holandesa Lightyear promete um feito e tanto em relação à autonomia das baterias. Com painéis solares no teto, o cupê de quatro portas pode ficar até sete meses sem descarregar totalmente. Será possível? Pois é o que promete o Lightyear 0, com preço de US$ 263 mil, o equivalente a R$ 1,3 milhão na conversão direta. Ou seja, mesma faixa da versão mais cara do elétrico Porsche Taycan, por exemplo. A princípio, cabe explicar que o modelo não exclui a necessidade de carregadores. O Lightyear 0 apenas dispensa o carregamento de forma tradicional quase 100% do tempo. O veículo, que deve entrar em produção ainda neste ano, recarrega por meio dos painéis solares, tem capacidade de gerar energia suficiente para percorrer cerca de 11 mil km sem qualquer necessidade de carregamento externo para a bateria com capacidade de 60 kWh.

Desse modo, quem se desloca cerca de 35 km por dia pode dispensar o uso de tomadas por até 7 meses, estima a empresa. Entretanto, se o local for menos ensolarado, o tempo médio pode cair para 2 meses. De acordo com o teste europeu WLTP, o Lightyear 0 superou a autonomia do Tesla Model 3. Assim, conseguiu cravar 625 km de autonomia, mesmo tendo bateria menor que a do rival norte-americano, com 82 kWh de capacidade. Em trechos de estrada, com velocidade média de 110 Km/h, o Lightyear 0 pode alcançar 560 km de autonomia. Os seus 5 metros quadrados de painéis solares entregam cerca de 70 km extras em dias de sol.

Além da inovação tecnológica, o carro elétrico da Lightyear promete percorrer até 32 km com só 1 hora de recarga em tomada convencional. Já a mecânica traz quatro motores elétricos, instalados um em cada roda, com 174 cv de potência total e impressionantes 175,4 mkgf de torque máximo. Mas a aceleração de zero e 100 km/h leva 10 segundos e não impressiona como nos modelos da Tesla. De toda forma, tudo isso está longe do Brasil. Afinal, as 946 unidades serão fabricadas e vendidas apenas na Europa.

Fonte: Estadão/Jornal do carro.