Cidadeverde.com

Delegado descarta motivação política na morte de jovem em Piracuruca

 

O delegado Hugo de Alcântara Seabra Filho, titular da Delegacia de Polícia de Piracuruca, descartou motivação política no crime envolvendo o policial militar Tertulino Luis de Carvalho, suspeito de matar Rodrigo Magalhães de Brito na tarde desta segunda(29). O PM se entregou ainda ontem e alegou legítima defesa. As informações são da Secretaria de Segurança Pública do Piauí. 

De acordo com o delegado, até o momento, os fatos apurados condizem com a versão do policial que teria feito uma abordagem policial a um indivíduo em estado de flagrante, já que estava cometendo crime ao portar ilegalmente uma arma de fogo, o qual reagiu a abordagem e teria forçado o policial a se defender.

O delegado Hugo de Alcântara, foi até o local, determinou o isolamento, acionou a perícia e o Instituto Médico Legal (IML), pois foi constatado ausência de sinais vitais. "O policial foi encaminhado até a delegacia de polícia civil, onde prestou esclarecimentos, condizentes com a situação fática vista no local de crime, que apontavam para a legítima defesa do policial", informou nota da Secretaria de Segurança.

A nota da Segurança também informou que após os trabalhos periciais, o perito responsável apresentou um simulacro de pistola (Air Soft), várias esferas de plásticos ("munições de Air Soft"), 04 quatro munições calibre 12, todas encontradas no interior do veículo, além disso, apresentou uma espingarda calibre 12 encontrada próximo ao corpo da vítima, e a munição que estava dentro da arma, constatando que a espoleta da munição apresentava sinal de impacto, indicando a probabilidade de Rodrigo ter efetuado disparo contra o policial, mas por alguma falha da arma, a munição não deflagrou, o que confirmou ainda mais os indícios de legítima defesa.

As diligências devem continuar. Serão chamadas testemunhas que presenciaram os fatos, e localizarão câmeras de vigilância de residências e comércios próximos ao local do crime.


ítima teria sido atingida com um tiro na cabeça. Foto: Arquivo/Rede Social

Depoimento de Tertulino

Na nota divulgada pela Secretaria de Segurança Pública, a atitude de Rodrigo ao protagonizar um vídeo de grande repercussão na cidade, em que foi flagrado por populares conduzindo seu veículo no complexo turístico Prainha, ostentando uma pistola em sua mão para fora do veículo, no dia eleição, teve sua atitude recriminada em grupo de Whatsapp por colegas, Rodrigo reage de forma agressiva contra os mesmos, proferindo ameaças e insultos. O policial Militar Tertulino estava no grupo e foi proferida contra este ameaça específica.

O policial informou a autoridade policial e seus superiores, em seguida se deslocou até o prédio da Companhia de Polícia Militar deste município para informar aos policiais e solicitar diligência.

No trajeto, o policial militar relatou que viu o veículo semelhante ao de Rodrigo lhe seguindo, mas até o momento não tinha certeza, só confirmando a suspeita quando este passa bem próximo ao carro do policial, em frente ao prédio da companhia de polícia militar.

Ao identificá-lo, o policial militar de folga, solicita apoio ao colega de serviço, mas este estava sozinho no prédio não podendo sair. Tertulino realiza o acompanhamento do indivíduo, emparelha ao lado seu carro, identifica-se como policial e solicita parada. Mas a vítima reage apontando uma espingarda calibre 12 em direção ao policial, o qual acelera o carro, obstrui a passagem, e realiza a abordagem.

Após minutos verbalizando, Rodrigo sempre apontando a espingarda e mirando no policial, ele tenta se aproximar do policial o qual estava abrigado atrás do seu veículo, momento em que o policial efetua os disparos para se proteger. A vítima é alvejada, tomba com vida e a espingarda em punho, o policial se aproxima, afasta a arma da vítima, e aciona a ambulância, polícia civil e militar.


Caroline Oliveira
redacao@cidadeverde.com