Cidadeverde.com
Diversidade

Comunicado importante sobre Parada da Diversidade 2018

NOTA À SOCIEDADE PIAUIENSE

O Grupo Matizes, entidade responsável pela organização de todas as edições da Parada da Diversidade de Teresina, vem a público pontuar e informar o que abaixo segue:

I) A Parada da Diversidade de Teresina é realizada desde 2002, sendo uma manifestação pacífica, amparada pelo art. 5º, XVI da Constituição Federal, que tem o objetivo de reivindicar igualdade de direitos para a população LGBT, bem como dialogar com a sociedade piauiense sobre a importância do respeito às diversidades como um dos pressupostos para a construção de uma cultura de paz. É um dos eventos organizados pela sociedade civil que conseguem agregar mais pessoas em nosso Estado (cerca de 100 mil em 2017!)

II) Por previsão expressa da Lei Municipal 4148/2011, a Parada da Diversidade faz parte do Calendário Oficial do Município de Teresina, tendo suas 16 outras edições marcadas pela alegria, pluralidade de vozes e pelo respeito entre @s participantes. Nesses 16 anos, não há registro de incidentes de violência, porque os que vão para a Parada têm o coração com “mania de amor”.

III) A 17ª edição da Parada da Diversidade foi inicialmente prevista para o dia 26/08/2018, tendo como uma das atrações para o show de encerramento o cantor Johnny Hooker, reconhecido nacionalmente e destaque na cultura mix. Com perplexidade e irresignação, o Matizes tomou conhecimento de publicações nas redes sociais incitando a violência e com ameaças (de surra e de morte!) ao cantor Johnny Hooker.

IV) Atos de intolerância como os vistos nos últimos dias nas redes sociais locais são patrocinados por pessoas não afeitas à pluralidade de idéias, que pensam o mundo sob a perspectiva excludente e discriminatória, achando “normal” o “apagamento” de todos os grupos historicamente discriminados em nossa sociedade, dentre eles os LGBT.

Feitas essas ponderações, o Matizes informa que:

a) A organização do evento fez o print de algumas postagens/comentários em redes sociais com manifestações de intolerância que, em tese, constituem crime previsto na legislação penal pátria. Esses prints serão entregues às autoridades, com o devido pedido de apuração;

b) O cantor Johnny Hooker não se apresentará mais no show de encerramento da 17ª Parada da Diversidade, vez que os órgãos de segurança e tampouco o Matizes, dispõem de mecanismos para evitar que as ameaças de “dar uma surra”, “rebolar pedras”, “queimar esse bicho vivo” (sic) sejam concretizadas por aquelas pessoas que as fizeram, haja vista que o evento acontece em espaço aberto;

c) A Parada da Diversidade de Teresina está mantida com data alterada para dia 02 de setembro de 2018, tendo como atrações no show de encerramento vári@s artistas já confirmad@s, dentre el@s: Benício Bem, Bia e os Beck, Chandelly Kidman e Pablo Vittar.

Teresina, 13 de agosto de 2018.

Diretoria do Grupo Matizes

Jogos Coloridos vão ferver no Parque Lagoas do Norte

A alegria, a irreverência, a descontração serão a tônica da 1ª Edição do Jogos Coloridos a se realizar dia 18/08 a partir das 16h no Parque Lagoas do Norte. A ação visa promover competições esportivas dentro de um clima de respeito às Diversidades. A iniciativa faz parte da abertura da 14ª Semana do Orgulho de Ser*, realizada entre os dias 22 a 29 de agosto.

A atividade  vai magnetizar  os participantes  com as modalidades de Volei de Praia, Futsal de Areia, Atletismo e Gaymada. Performances também energizarão o espaço. A organização do evento construiu os jogos para proporcionar ambiente de convivência fraterna com as diferenças bem como comemorar o aniversário de Teresina.

 

A realização dos jogos é parceria entre Matizes, ATRAMS (Associação de Trans Masculinos do Piaui) e Prefeitura Municipal de Teresina através do Parque Lagoas do Norte.

* Mais detalhes da Programação da 14ª Semana do Orgulho de Ser clique AQUI

Acadêmicos da UFPI participam de debate sobre 'Mídia e a desconstrução da Democracia'

Com o tema “A mídia e a desconstrução da Democracia”, acadêmicos da UFPI participaram, neste sábado(30/06),  de um dos módulos do curso de extensão Impeachment e o Futuro da Democracia no Brasil.  A debatedora foi a Profª Drª Ana Regina Barros Rêgo Leal, pesquisadora, docente do curso de Comunicação Social(UFPI) e Presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores/as de História da Mídia.

A palestrante fez uma análise/reflexão sobre Centralidade da Mídia e Donos da Mídia; Produções de conteúdos esquemáticos e simplificadores via Produção Discursiva da mídia hegemônica; Projetos de Brasil  e Democratização das Mídias.

No primeiro momento, a pesquisadora expôs índice classificatório dos países de acordo com a qualidade de sua democracia, revelando que o Brasil está no grupo das democracias imperfeitas: participação política fraca, restrito poder de monitoramento e capacidade de influência dos/as cidadãos/ãs nas decisões governamentais, corrupção desenfreada. Os índices são levantados e pesquisados pela  consultora britânica Economist Intelligence Unit.

Quando abordou sobre Centralidade da Mídia, analisou como o acesso à política e formação da opinião passa também pelo olhar dos discursos das mídias hegemônicas, o que compromete e torna invisível  uma efetiva pluralidade de vozes na esfera pública.  

A pesquisadora ainda refletiu como produção de conteúdo pelos grupos de mídia reproduzem desigualdades de construção do imaginário. Ainda apontou a concentração de audiência do mercado midiático impresso e online vulnerabiliza o processo de democratização sociopolítico e comunicacional do país.  O oligopólio da mídia tem tentáculos e relações perigosas com setor financeiro, agronegócio e mercado imobiliário.

Ana Regina ainda fez reflexão acerca da produção discursiva do jornalismo ao longo da História brasileira e como manchetes, capas, matérias, editoriais e demais discursos jornalísticos  seguem receitas estereotipadas  com forte apelo emocional e pânicos morais para  deslegitimar  e derrubar governantes não alinhados aos interesses econômicos dos donos da mídia,  dos setores empresariais e grupo políticos dominantes.

Por fim, a palestrante destacou a importância do acesso ao Direito Humano Universal à Comunicação, cujo significado pauta-se na produção informacional horizontal. Mencionou o papel da Sociedade Civil construir uma comunicação democrática e crítica para se contrapor ao oligopólio dos meios de comunicação – ologopolização vedada pela Constituição de 1988.    

Lembrou ainda que EUA e Europa produziram mecanismos de fiscalização e controle para limitar o monopólio midiático. Na era da comunicação digital, ressaltou a necessidade dos sujeitos sociais desenvolverem pensamento reflexivo e crítico para não se fecharem no ‘apartheid do algoritimo’.

Por Herbert Medeiros

III Seminário Estadual de Segurança Pública debate Desafios da Cidadania LGBT na Educação

O III Seminário Estadual de Segurando Pública, cujo tema “A Integralidade da Cidadania LGBT nas Políticas Públicas de Educação, Saúde, Assistência Social e Segurança Pública”, abordou hoje (29/06)  os desafios para implementação das politicas educacionais focada na promoção do acesso, permanência e respeito aos sujeitos lgbts. Participaram da mesa de diálogo os/as representantes da OAB/PI e Secretaria Estadual de Educação.

A professora M.ª e presidenta da Comissão de Diversidade Sexual da OAB/Pi, Ana Carolina Fortes, destacou em sua reflexão a necessidade de promover uma educação para Diversidade pautada nos princípios constitucionais da Igualdade e Dignidade Humana. Ressaltou ainda que a Educação abrange não só o ambiente escolar mas também os diversos espaços socioeducativos como: as lutas das organizações sociais por Direitos e Democracia, as interações cotidianas, as relações sócio-familiares etc.

A representante da OAB também ponderou  sobre como  Currículo Oculto – práticas socioculturais, atitudes, valores e comportamentos que atravessam o fazer educativo – impregna a prática educativa e precisa ser problematizado para desconstruir preconceitos, estereótipos e discriminações contra grupos vulnerabilizados.

O Vice-presidente da Comissão de Diversidade Sexual, Glaudson Lima, trouxe para a discussão o enfoque da relação entre Democracia e Educação. Lima lembrou que a escola não é um amontoado de pessoas, mas um espaço constituído de múltiplos sujeitos, devendo, portanto, está aberta ao diálogo tanto internamente como com os agentes sociais externos.

Durante o momento dos debates com os participantes, o  educador da rede pública e ativista do Matizes, Herbert Medeiros, sugeriu aos representantes da SEDUC a  urgência  de promover formação/capacitação continuada para educadores/as com foco nos Direitos Humanos de lgbts, mulheres, negros/as e pessoa marginalizadas.  Apontou a ausência de ações efetivas da instituição para garantir educação plural e igualitária.

Membro do Matizes Também ressaltou que a valorização  dos profissionais do magistério é condição necessária para assegurar  uma educação de excelência comprometida com a equidade, solidariedade  e impulsionadora dos potenciais humanos de todos e todas. 

 

Dia Mundial do Orgulho LGBT: Poesia e Canção Celebrando Orgulho de Sermos o que SOMOS

                                                                                                           Walt Whitman

Neste momento terno e pensativo

Aqui sentado a sós

Sinto que existem noutras terras outros homens

Ternos e pensativos,

Sinto que posso dar uma espiada

Por cima e avistá-los

Na França, Espanha, Itália e Alemanha

Ou mais longe ainda

No Japão, China ou Rússia,

Falando outros dialetos,

E sinto que se me fosse possível

Conhecer esses homens

Eu poderia bem ligar-me a eles

Como acontece com homens de minha terra,

Ah e sei que poderíamos

Ser irmãos ou amantes

E que com eles eu estaria feliz.

 

Paula e Bebeto (Milton Nascimento

Qualquer maneira de amor vale à pena

Qualquer maneira de amor vale amar

Qualquer maneira de amor vale o canto

Qualquer maneira me vale cantar

Qualquer maneira de amor vale aquela

Qualquer maneira de amor valerá        -      Milton Nascimento

 

Eu Gosto de Mulher

Ana Carolina

Vou te contar o que me faz andar

Se não é por mulher não saio nem do lugar

Eu já não tento nem disfarçar

Se em tudo que eu me meto é só pra impressionar

Mulher de corpo inteiro

Se não fosse por mulher eu não era roqueiro

Mulher que se atrasa, mulher que vai na frente

Mulher dona-de-casa, mulher pra presidente

 

Super-Homem (Gilberto Gil)

Um dia

Vivi a ilusão de que ser homem bastaria

Que o mundo masculino tudo me daria

Do que eu quisesse ter

Que nada

Minha porção mulher, que até então se resguardara

É a porção melhor que trago em mim agora

É que me faz viver

Close (Erasmo Carlos)

Tão quente que o sol se rescente, seus raios batem

palmas pra ela que acende um cigarro no corpo

dar um close nela.

Fêmea pra ninguém botar defeito, exemplar perfeito

Um tesouro de mulher dourada com sua tanga que

pra mim é nada.

Este inenarrável monumento num dado momento,

Faz a praia inteira levantar numa apoteose a beira mar

 

A Átis (Poema de Safo)

Não minto: eu me queria morta.

Deixava-me, desfeita em lágrimas:

 

“Mas, ah, que triste a nossa sina!

Eu vou contra a vontade, juro,

Safo”. “Seja feliz”, eu disse,

 

“E lembre-se de quanto a quero.

Ou já esqueceu? Pois vou lembra-lhe

Os nossos momentos de amor.

 

Quantas grinaldas, no seu colo,

— Rossas, violetas, açafrão —

Trançamos juntas! Multiflores

 

Colares atei para o tenro

Pescoço de Átis; os perfumes

Nos cabelos, os óleos raros

 

Da sua pele em minha pele!

[…]

Cama macia, o amor nascia

De sua beleza, e eu matava

A sua sede” […}

 

Soneto do ... amor que  ousa dizer seu nome...

Antonio Sciamarelli

 

“... o amor que não ousa dizer seu nome...”

         (Oscar Wilde)

 

 

“O Amor que não ousa dizer seu nome”

Bateu-lhe à porta ao acaso, um dia.

E ele, inebriado pela cotovia

(que paira à janela, mas depois some...),

 

sentiu crescer, súbito, na alma, uma fome

de algo que, até então, desconhecia.

Desejo... estranheza... culpa... agonia...!

Desce aos umbrais, na angústia que o consome.

 

...porém, depois das lágrimas enxutas,

chamou a cotovia, deu-lhe frutas,

e sorveram, um no outro, a própria essência.

 

E ambos, nessa atração de semelhantes,

Num cingir de músculos, os amantes

Ergueram-se aos portais da transcendência.

 

Masculino/Feminino (Pepeu Gomes)

Ser um homem feminino

Não fere o meu lado masculino

Se Deus é menina e menino

Sou Masculino e Feminino...

 

‘Esse amor é mal entendido nesse século, tão mal entendido que pode ser descrito como o `amor que não ousa dizer o nome' e, por causa disso, estou onde estou agora. Ele é bonito, é bom, é a mais nobre forma de afeição. Não há nada que não seja natural nele. Que as coisas deveriam ser assim o mundo não entende. O mundo zomba desse amor e, às vezes, expõe alguém ao ridículo por causa dele.’  (AMOR QUE OUSA DIZER O NOME – OSCAR WILDE)

 

 

Lesbos – Charles  Baudelaire

Mãe da Roma floral e das volúpias gregas,

Lesbos, onde sutis ou extravagantes beijos,

 Quentes que nem o sol, frescos que nem as mangas,

Das noites e manhãs famosas fazem jus,

Mãe da Roma floral e das volúpias gregas,

 

Lesbos: lá cafunés são como as cachoeiras

Que caem sem temor em abismos infindos,

E entre gemidos vão, vem, descendo ladeiras

Como em meio a um tufão de segredos profundos;

Lesbos: lá cafunés são como as cachoeiras!

 

Lesbos, onde o vulcão desconhece o que é ira

E em cujo oco sequer um ai ficou sem eco,

Como Pafos, assim, o celeste te admira,

E Vênus com razão inveja o charme sáfico!

Lesbos: onde o vulcão desconhece o que é ira,

 

Lesbos: lá as noites têm quentura e têm langor,

O que faz a mulher, Oh estéril carícia!,

Co’ a moça no salão de ilusões de amor,

Colhendo os frutos bons de tal adolescência;

Lesbos: lá as noites têm quentura e têm langor,

Deixa o velho Platão franzir a testa austera;

Tu obténs teu perdão por excesso de beijos,

 Rainha cortesã em benévola era,

De sofisticação e requinte sobejos.

 Deixa o velho Platão franzir a testa austera.

 

Tu adquires teu perdão do perpétuo martírio,

Que sem interrupção se inflige aos mais ousados,

Que atrai longe de nós o riso rico e frio,

Entrevisto, pueril, à beira de outros mundos

 Tu adquires teu perdão do perpétuo martírio!

Pois qual Deus ousará, Lesbos, ser teu algoz

 E te condenará o rosto rijo a obrar,

Se co’ a balança em vão pesaram a ampla foz

De lágrimas que em rio induz maré no mar?

 

A que nos quer a lei dos justos ou injustos?

 Virgens de coração, sublime honra do Egeu,

Vossa religião e credo são augustos,

E o amor tanto rirá seja do Inferno ou Céu!

  A que nos quer a lei dos justos ou injustos?

 

Pois Lesbos logo a mim de tantos escolhera,

P’ra o segredo cantar de suas virgens em flor.

Fui desde a pequenez sabedor da arte obscura

Do selvagem sorrir melado em densa dor;

   Pois Lesbos logo a mim de tantos escolhera.

 

E velo desde então no topo do Leucate,

Observando, sagaz, brigue, galé e fragata;

Dia e noite a varar, co’ olho virado ao Leste,

Cujas formas no além tremem azul-violeta;

E velo desde então no topo do Leucate,

 

P’ra saber se a baía é complacente e boa,

E meio ao soluçar que nas rochas ressoam

Um dia qualquer trará, à Lesbos que perdoa,

 O cadáver amado e os que o amam lá irão

  P’ra saber se a baía é complacente e boa!

 

Da Safo macho há: parte amante e poetiza,

Que por sua palidez, é mais bela que Vênus!

Cujos olhos azuis se rendem à negreza

Do tenebroso anel traçado pelo ônus

    Da Safo macho que há, parte amante e poetiza!

 

Dada ímpar maciez, vestida co’ atitude, Verte ela o capital da serena beleza

E acrescenta esplendor à negra juventude

E ao Oceano até, de uma moça bem formosa;

Dada ímpar maciez, vestida co’ atitude

 

Matizes e Organizações da Sociedade Civil fazem interlocução para 14ª Semana do Orgulho de Ser

O grupo Matizes reuniu-se nesta quinta-feira(14/06) com parceir@s para dialogar sobre a construção da 14ª Semana do Orgulho de Ser,  evento já consagrado na cidade de Teresina para colocar em pauta direitos, cidadania e respeito aos sujeitos lgbts. Este ano as atividades da semana acontecerão de 22 a 29 de agosto. Diversos representantes de Organizações da Sociedade Civil e Instituições de Ensino Superior estiveram presentes na reunião.

 

Ativistas matizian@s fizeram uma contextualização do surgimento, finalidade, impactos  e modo de organização da Semana do Orgulho de Ser. O tema para o ano de 2018 “Oprimid@s, uni-vos - por mais direitos e democracia”   também foi socializado  para os/as parceir@s.  

A proposição da temática  visa potencializar  espaços horizontais  de interação, reflexão e empoderamento de lgbti+, mulheres, negras/os, jovens, pessoas com deficiência e outros segmentos vulnerabilizad@s.

“Desejamos congregar  vozes plurais para tonificar as lutas sociais e  construir uma agenda proativa de fortalecimento da democracia participativa e ampliação de direitos historicamente negados pelos grupos dominantes”, ressaltou  matiziana Carmem Ribeiro.

A representante da Associação dos Docentes da UESPI, Rosângela Assunção, confirmou a realização de atividades educativas interdisciplinares durante a Semana do Orgulho envolvendo acadêmicos da Universidade Estadual do Piauí.

A Educadora  Shara Jane Adad, da Universidade Federal do Piauí, reforçou a parceria com Matizes e destacou a  realização, em agosto,  do III Encontro Internacional de Sociopoética e Abordagens Afins, cujo tema será ‘Potencias do Corpo na Invenção de Si e de Mundos com/entre Diversidades/Diferenças’. Mais informações sobre Encontro Sociopoética clique AQUI

A jovem Debora Raquel, da Escola Técnica de Teatro, manifestou o desejo de participar da Semana do Orgulho de Ser através da performance de dança contemporânea. Letícia Pereira, da Frente Popular de Mulheres contra o feminicídio, esteve presente na reunião e expressou o desejo de pautar ação sobre empoderamento feminino.  

Ainda participarão da reunião: Rissalva Araújo (Casa de Metara), Haldaci Regina (Instituto das Ayabas), Izaque Cristian (Afronte), Tayann Matheus (Centro Universitário Santo Agostinho), Diego Silva (UESPI/DCE/RUA), Nayara Costa (Setorial LGBT/PT), Alda Lygia (Katias Coletivas/UFPI), Glaudson Lima (Comissão da Diversidade Sexual da OAB/PI)

No próximo dia 06/07,  Matizes e movimentos sociais realizarão nova reunião para encaminhar as ações a serem realizadas na Semana do Orgulho de Ser. 

 

Por Herbert Medeiros

II Caminhada da Adoção: Adotar é acreditar na força do Amor

Para celebrar o 25 de maio, Dia Nacional da Adoção, o Centro de Reintegração Familiar e Incentivo à Adoção (Cria) está organizando sua segunda edição da Caminhada da Adoção de Teresina.

O evento acontecerá no dia 27 de maio e tem como objetivos visibilizar  a  causa  da adoção bem como quebrar mitos e preconceitos a respeito da mesma, reafirmando a ideia de que todo arranjo familiar é importante e valoroso, contanto que haja amor. 

A caminhada do ano passado teve grande sucesso junto à opinião pública e a expectativa é consolidar essa ação e ampliar diálogo com a sociedade sobre o tema em 2018, reunindo centena de pessoas, dentre as quais: membros da rede de proteção à criança e ao adolescente, estudantes, movimentos sociais, pais, mães e filhos adotivos e os demais interessados na causa.

O percurso será da Ponte Estaiada, onde iniciará  a concentração às 16 h, seguindo pela avenida Raul Lopes até o Parque Potycabana, local no qual  ocorrerá  as falas de ativistas da adoção e apresentações artísticas.

Venha participar dessa importante luta, porque ADOTAR é acreditar na força do AMOR!

Posts anteriores