Cidadeverde.com

Mais de 1,6 tonelada de resíduo é retirado de Pedra do Sal e placas são roubadas

Foto: Capitania dos Portos-PI

Em pleno feriado prolongado, o litoral do Piauí continua registrando incidência de manchas em suas praias. Apenas neste sábado (16) foram retirados 1.650 kg de resíduos contaminados com óleo da praia de Pedra do Sal, o maior registro em um único ponto desde o aparecimento do material, no final de setembro. 

Placas que alertam que as praias estão impróprias para banho foram retiradas neste final de semana. “A Ciptur (Companhia Independente de Policiamento Turístico ) está investigando e permanece o alerta para o banho impróprio nas três praias: Atalaia, Pedra do Sal e Peito de Moça”, confirmou o gerente de fiscalização da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar), Renato Nogueira.

Desde as primeiras ocorrências, já foram retiradas mais de três toneladas de resíduos contaminados, incluindo areia, capim, cordas e redes de pesca. Ainda há materiais a serem recolhidos. Os resíduos estão sendo armazenados em tambores e levados a um aterro controlado na cidade de Parnaíba.

Após a identificação de focos de óleo em praias do Delta, o trabalho dos órgãos ambientais vai focar a parte oeste no litoral piauiense nos próximos dias. 

“Hoje estamos avaliando o que foi feito ontem (16). Amanhã nós vamos a praia do Pontal, última praia antes de chegar no Delta e na terça-feira iremos ao Delta com uma embarcação junto com a prefeitura de Ilha Grande monitoras as praias nas ilhas do Delta”, explicou Renato Nogueira.

Neste final de semana, um helicóptero vistoriou a área e não identificou a presença de novas manchas em mar aberto.

Banhistas em risco

Visitantes enviaram ao Cidadeverde.com imagens que mostram banhistas na praia de Peito de Moça neste domingo (17), em contato com a água, próximos a uma das placas que sinalizam o risco de contaminação.  

Foto: Clara Ananda Pimentel/Enviada ao Cidadeverde.com

“É um risco o contato direto com o óleo. Inclusive, ontem (16) a gente viu muitas pegadas em cima do óleo. Isso mostra que areia e a água estão contaminadas”, alertou o gerente.

O contato  da pele com óleo pode desencadear em alergia, coceira e vermelhidão. Caso ingerido, o material pode gerar dor de cabeça e náuseas.

Uma maratonista piauiense registrou uma óleo em Pedra do Sal enquanto participava de uma corrida. 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Momento de horror! Aquele óleo maldito no meu paraíso! ???????????????? As mazelas deixadas pelo ser humano na natureza!

Uma publicação compartilhada por Val Araújo (@valaraujophb) em

 

 

Valmir Macêdo
[email protected]