Cidadeverde.com

Polícia investiga homofobia em caso de espancamento no Piauí

Após sofrer um espancamento, Valteres Peixoto, 30 anos, morreu nessa terça-feira (9) no Hospital Regional Chagas Rodrigues, em Piripiri, distante 158 quilômetros de Teresina.  Ele foi encontrado sem consciência na zona Rural do município e estava em coma desde domingo (7).

 Populares acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a vítima foi encaminhada ao hospital. Valteres chegou no local desacordado, com lesões na cabeça.

A polícia investiga o caso e tem duas linhas de investigação. Uma por motivação homofóbica, já que  a vítima era homoafetiva, e outra baseada em uma suposta vingança por crimes patrimoniais. Valteres é suspeito de praticar vários roubos e furtos em residências.

“Não estou vendo somente homofobia nesse caso já que a vítima era conhecida pela polícia por praticar crimes patrimoniais. Mas estou determinando que a perícia também seja baseada na visão homofóbica”, informou a delegada de Piripiri, Lucivânia Vidal.

 O caso foi informado à delegacia somente ontem e a Polícia Civil ainda não tem suspeita sobre a autoria do crime.  


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

 

Homossexual é morto após espancamento em Piripiri

Um homem, identificado por Walteres Peixoto, 30 anos, morreu nesta terça-feira(09), por não resistir às pancadas na cabeça levados durante um espancamento sofrido no último domingo(07). Ele chegou a ser hospitalizado, mas nos primeiros minutos desta terça-feira (9), ele faleceu.

Segundo o presidente do Grupo Gay de Piripiri, Gerson Renato, Walteres Paixoto, era homossexual e disse que ainda não se sabe o motivo do assassinato. Mas, ele já acionou as Polícias Militar e Civil.

"Ele morava em Teresina e veio antes do Natal para ficar na casa da mãe. Só soubemos hoje do espancamento", disse Gerson, que lembrou que Walteres já tinha sido vítima de tentativa de homicídio, na capital, por mais de uma vez, levando três tiros e ainda esfaqueado em outra situação.

 

 

Com informações do Piripirireporter/Piripiri40graus

Homem morre ao cair de escada enquanto podava árvores

Um homem identificado apenas como Antônio morreu após cair de uma escada enquanto podava árvores em Piripiri. município a 157 km de Teresina. Antônio morava em frente a delegacia do município. O acidente ocorreu por volta das 10h desta quinta-feira (04).

Segundo a delegada Lucivânia Vidal, o homem morreu ainda no local antes da chegada do SAMU, acionado pelos próprios policiais.

"Ele estava podando umas árvores e deve ter perdido o equilíbrio porquê a escada não caiu. Ele permaneceu deitado e os policiais acionaram o Samu, que constatou o óbito ao chegar", explicou a delegada.

O IML foi acionada para fazer o transporte do corpo de Antônio. O homem morava sozinho e a Polícia teve dificuldade em encontrar familiares para fazer a liberação do corpo.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Corpo em decomposição é encontrado na zona rural de Piripiri


Local onde o corpo foi localizado é de difícil acesso (Foto: Piripiri Repórter)

O corpo de um homem foi encontrado em estado avançado de decomposição próximo ao Rio dos Matos, na zona rural de Piripiri, a 158 km de Teresina, em uma região conhecida como “Terra Preta”.  De acordo com o tenente-coronel Erisvaldo Viana, são poucas as informações sobre o caso até o momento. A vítima, por exemplo, ainda não teve sua identidade confirmada. 

“Em uma perícia inicial não foi localizada perfurações no corpo, ao contrário de algumas notícias sobre o caso, a hipótese mesmo é de que tenha sido morte natural, mas a investigação da Polícia Civil já está trabalhando no caso. A Polícia Militar foi acionada após um popular encontrar o corpo e fomos até o local isolar a área até a chegada da perícia”, disse o tenente-coronel ao Cidadeverde.com. 

O oficial disse ainda que a vítima estava usando uma bermuda vermelha. O Instituto de Medicina de Teresina (IML) foi acionado para fazer o recolhimento do corpo. 


Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Criança de três anos é mantida refém pelo próprio pai por 9 horas

Foto: Portalsemfronteiras

Um garoto de três anos de idade foi feito refém pelo próprio pai na cidade de Piripiri, a 157 km de Teresina. A criança só foi liberada após 9 horas com a chegada do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). 

O suspeito- identificado apenas como Edvaldo- teria discutido com a esposa porque queria dinheiro. Os dois iniciaram uma discussão e a mulher saiu de casa. Em seguida, acionou a Polícia Militar. 

"A esposa conta que ele queria dinheiro e ia vender o botijão de gás, mas ela não deixou. Os dois brigaram e ela saiu de casa e chamou a Polícia Militar. Quando os policiais chegaram, ele pegou a criança para impedir que a polícia atirasse", disse Francisca das Chagas Sousa, conselheira tutelar. 

Para impedir a aproximação dos policiais, o suspeito pegou o filho colo e, de acordo com testemunhas, segurava uma arma branca. 

"As ameaças que ele fazia era para ninguém entrar. Não presenciei ele ameaçando o filho", esclarece a coronel Júlia Beatriz, coordenadora do gerenciamento de crise da PM, que foi acionada para liberar a criança.

A PM foi acionada por volta das 19h e o menino liberado por volta das 4h30 de ontem (12). Edvaldo foi encaminhado para a delegacia de cidade. Ele seria usuário de drogas. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Briga por celular termina em morte e suspeito é preso

 

O 1º Distrito Policial de Piripiri, sob o comando do delegado Jorge Terceiro, efetuou a prisão, nessa segunda-feira (11), de Edmilson Roseno Magalhães. Ele é suspeito de praticar latrocínio (roubo seguido de morte) contra Alessandro da Silva Magalhães. 

O crime aconteceu na noite de domingo nas proximidades da ponte do Biano, bairro Paciência em Piripiri. A vítima e o suspeito teriam discutido por conta de um aparelho celular, segundo o delegado Jorge Terceiro.

"Foram localizadas peças de roupa e pulseiras que não eram da vítima, mas que estavam próximo ao corpo, o que nos levou a crer serem do autor do delito que as teria perdido no local durante eventual confronto físico. Após isto localizamos testemunhas que estiveram bebendo com o criminoso e a vítima na noite anterior e que informaram que esta teve uma discussão com o autor do crime por causa do aparelho celular da vítima”, afirmou o delegado Jorge Terceiro, titular do 1o Distrito Policial.

Após a prisão do suspeito do crime, a investigação também localizou o aparelho celular subtraído da vítima, que foi vendido por R$100 logo após a prática do crime.

"O autor, após matar a vítima e subtrair seu aparelho celular, vendeu o aparelho por uma quantia em torno de cem reais. Localizamos o aparelho que já está apreendido juntamente com os chinelos, pulseira e blusa do autor usada para esganar a vítima durante a luta corporal”, informa o delegado Jorge. 

Ainda de acordo com Terceiro, em depoimento, o suspeito confessou o latrocínio alegando embriaguez.

Autuado por latrocínio, o preso pode pegar de 20 a 30 anos de prisão.

Izabella Pimentel 
Com informações da Polícia Civil
redacao@cidadeverde.com 

Jovem é esfaqueado em arquibancada de jogos escolares

Um jovem identificado apenas como Francisco, 19 anos, foi esfaqueado durante os jogos escolares  de Piripiri, distante 157 quilômetros de Teresina. O caso aconteceu na noite de sábado (2). 

O comandante da Polícia Militar de Piripiri, tenente coronel Erisvaldo Viana, disse ao Cidadeverde.com que o jovem foi esfaqueado quando estava sentado na arquibancada. Um rapaz, ainda não identificado, o atacou de repente e desferiu um golpe de faca no seu braço.

O suspeito fugiu em seguida. Ensanguentado, Francisco chegou a pedir socorro quartel da PM, que fica ao lado da quadra onde os jogos estavam sendo realizados. O jovem foi atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e passa bem. Até agora ninguém foi preso.

O comandante Erisvaldo Viana suspeita que a agressão tenha sido motivada por uma suposta rixa entre traficantes. 


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Idoso condenado por estupro e mais sete são presos no interior do Piauí

Foto: PC-PI

Oito suspeitos de crimes de roubo a mão armada, estupro e violência contra a mulher foram presos durante os dois dias da operação Catena, deflagrada na cidade de Piripiri, a 157 km de Teresina. 

O delegado Jorge Terceiro conta que seis prisões ocorreram na zona urbana e duas na zona rural da cidade. 

Todos os suspeitos foram presos em cumprimentos a mandados judiciais. Entre eles há dois idosos, sendo um de 69 anos condenado por um estupro ocorrido em 2008. 

"No decorrer do mês de dezembro teremos ainda várias ações a serem realizadas", disse o delegado Jorge Terceiro.

Os nomes dos presos não foram divulgados pela Polícia Civil. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Justiça adia pela 2ª vez júri de locutor e família de garçom se revolta

João Fidelis 

A 1ª Vara Criminal de Piripiri decidiu adiar, novamente, o júri popular do locutor de rádio Ivan Carlos Carvalho Panichi, acusado de atropelar e matar, em 2010, o garçom João Antônio dos Santos, conhecido como “João Fidelis”, de 68 anos, na BR 343, Km 75, naquela cidade. O novo adiamento revoltou a família.

 “Vimos, novamente, em peso para fórum pensando que, desta vez, o réu não se safaria, e seria, enfim, julgado, depois de desrespeitar a Justiça no último dia 14, data do primeiro julgamento, em que não apareceram nem acusado nem advogado. E hoje, de novo, nossa expectativa foi frustrada. Novo atestado foi protocolado. Novo adiamento foi concedido”, lamenta Georlitom Alves, filho da vítima.  Este será o primeiro júri popular por homicídio doloso de trânsito do Piauí. 

 A advogada do acusado protocolou atestado médico, em que alegava impossibilidade de atuar na defesa do réu, apontando a necessidade de passar por uma cirurgia de vesícula. Baseada nisso, peticionou requerendo o adiamento do júri.

“Ninguém aqui é criança. Está na cara que existe uma manobra para que esse júri ou não se realize ou seja adiado o máximo de tempo possível. Se não, por que todos os demais advogados renunciaram ao mandato na véspera do primeiro júri, ficando apenas uma, e que ainda protocolou atestado?”, indaga Georlitom.

Familiares estão revoltados

 O novo julgamento de Ivan Panichi foi marcado para o dia 8 de março de 2018, mas a família teme um novo adiamento. “Nós vamos tomar providências junto às cortes superiores para que isso não volte a se repetir. Toda essa situação nos traz, além da dor da perda de nosso pai, a sensação de injustiça. Nós não vamos desistir”, finaliza Georlitom.

Da redação
redacao@cidadeverde.com

Presos fazem necessidades fisiológicas em sacos plásticos, diz denúncia

Policiais civis de Delegacia Regional de Piripiri denunciam que uma cela foi improvisada dentro do distrito. 

Imagens mostram que a cela tem um espaço bem pequeno, com uma grade e um banco de ferro na parede onde o preso fica algemado. Os policiais denunciam que o ambiente é de total insalubridade e presos estão colocando fezes em uma sacola e urinando nas paredes.

A cela foi construída após decisão da Justiça de interditar todas as outras celas da delegacia de Piripiri e retirar, imediatamente, um carro cela que abrigava os presos nos fundos do distrito.

Segundo o titula da Delegacia, delegado Jorge Terceiro, o local mostrado nas imagens não se trata de uma cela e, sim, de uma sala de contenção utilizada durante a realização de procedimentos policiais. 

Conforme o delegado, após a realização de procedimentos, os presos são transferidos para a delegacia de Piracuruca. O delegado negou que os presos fazem suas necessidades em sacolas e afirmou que o mau cheiro da sala é por conta de restos de água e alimentos que se acumulam no local.

A orientação é de que os presos sejam levados ao banheiro sempre que tiveram vontade e nenhum detido fique mais de 14 horas nessas salas de contenção. 

A Secretaria de Segurança Publica informou que  está providenciando a construção de mais duas salas de contenção na delegacia de Piripiri. 

Izabella Pimentel
Com informações do Notícia da Manhã

Posts anteriores