Cidadeverde.com

Corrente aguarda Bombeiros de Floriano para buscas por rapaz desaparecido em barragem

A Polícia Militar de Corrente realiza buscas desde segunda-feira (8) pelo corpo de um rapaz identificado até o momento apenas como Biola. Ele estaria desaparecido desde o último domingo, quando foi visto pela última vez junto à uma barragem localizada próxima à uma cerâmica, no baiiro Vila Nova, em Corrente.

De acordo com o Major Hortêncio, Comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar de Corrente, a polícia realizou buscas em toda a localidade, mas trabalha com a hipótese de que ele de fato tenha se afogado na barragem. "Populares informaram à polícia de que ele tinha dito que iria se matar se afogando na barragem. Apesar de ninguém confirmar que tenha visto ele se afogando, nós trabalhamos com a hipótese de que ele realmente tenha se afogado, pois já realizamos buscas por todo o local", informou ao Portal Corrente.

Para auxiliar nas buscas dentro da barragem, para encontrar o corpo, o Major informa que uma equipe do Corpo de Bombeiros de Floriano, distante cerca de 600km, irá se deslocar até o local. "Aguardamos a chegada de um mergulhador para buscar no fundo da barragem, embora durante o dia, se o corpo estiver mesmo na barragem, ele possivelmente irá boiar, como normalmente ocorre depois de 24h, se não estiver preso no fundo", colocou.

O desaparecimento do rapaz e o seu possível afogamento tem causado grande expectativa na população, que desde ontem tem acompanhado o trabalho dos policiais de perto.

Ainda segundo o Major Hortêncio, a equipe de Corpo de Bombeiros de Floriano aguarda a chegada de integrantes de Teresina para realizar o deslocamento até Corrente.

Fonte: portalcorrente

Marcha das Margaridas reúne mais de 600 agricultores do Extremo-Sul em Corrente

A Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Piauí (FETAG-PI), sindicatos e movimentos sociais participaram nesta sexta-feira (22) do Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência. Em Corrente, Extremo-Sul do Estado, sindicatos do Polo Sindical de Curimatá, pouco mais de 600 mulheres trabalhadoras rurais unidas e organizadas foram as ruas em defesa da Previdência e da Medida Provisória (MP) 871/2019, durante a Marcha das Margaridas Regional.

“Hoje é o dia ‘D’ e é por isso que estas mulheres que compõem os 14 sindicatos do Polo de Curimatá estão nas ruas reivindicando seus direitos, porque somos contra a reforma da previdência na situação que estão querendo aprovar”, disse o Coordenador do polo, Simão Reinaldo.

O ato teve início nas primeiras horas do dia com uma concentração em frente o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) de Corrente. Em seguida a Polícia Militar escoltou a multidão que seguiu em caminhada pacífica com faixas, cartazes e palavras de ordens pelas principais avenidas da cidade.

“Reforma da morte”, disse a Secretária de Formação e Organização Sindical da FETAG-PI, Mazé Ribeiro. “Primeiro dizer que as ‘Margaridas’ do Polo de Curimatá são contra a reforma da previdência da maneira que estão apresentando, porque somos nós as mulheres, as mais prejudicadas. Uma reforma que chamo de ‘reforma da morte’, é por isso que avaliamos esta marcha importante para mostrar à população os grandes desafios que temos pela frente”, frisou Mazé Ribeiro.

A Secretária Estadual de Mulheres da Federação, Marlene Veloso, avaliou a ação. “Nosso objetivo aqui foi denunciar todas as formas de retirada de direitos e afirmar que não aceitamos esta reforma da previdência”, disse. “Agradecer todos os 14 sindicatos do Polo de Curimatá que participaram desta grande Marcha das Margaridas Regional aqui em Corrente, que vieram marchar e dizer que não aceitamos nenhuma retirada de direitos”, comentou Marlene Veloso.

A FETAG-PI e sindicatos já realizaram diversas Marcha das Margaridas Regional no Estado, uma mobilização alusiva ao Dia Internacional da Mulheres, comemorado dia 8 de março e uma ação preparatória para Marcha das Margarias Estadual que será realizada dia 06 de maio em Teresina, capital do Piauí.

Fonte: portalcorrente

Jovem confessa ter matado bisavô a pauladas para roubar dinheiro

(Foto: PM-PI)

Um idoso de 88 anos foi assassinado a pauladas no bairro Vermelhão, na cidade de Corrente, no interior do Piauí. De acordo com o major Hortêncio Santos, comandante do 7º Batalhão da PM, o bisneto da vítima, identificado como Jeovan Maciel dos Reis, e um adolescente foram presos suspeitos de participação no crime. Os dois teriam praticado o homicídio para roubar cerca de R$ 6 mil da vítima. 

"O idoso morava sozinho e tinha recebido uma quantia considerável. O bisneto e o outro rapaz confessaram que deram pauladas no idoso para roubar o dinheiro, mas que não queriam matar. Após as pancadas, eles saíram sem levar o dinheiro", explica o comandante. 

O idoso, identificado apenas como Zacarias, foi socorrido com vida por vizinhos que acionaram o Samu e a Polícia Militar. 

"Ele sofreu traumatismo craniano e morreu a caminho do hospital. Quando a PM chegou na casa, o dinheiro ainda estava no bolso dele e foi entregue para o filho que informou que usaria no velório", completou o major. 

 O crime ocorreu por volta das 11h, do último sábado (08). Os suspeitos foram localizados em casa, no mesmo dia. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

PM apreende notas falsas dentro de residência no Sul do Estado

Foto: Divulgação/PM 

Policiais Militares da Força Tática de Corrente apreenderam  R$1.720 reais em notas falsas. A apreensão foi feita na noite desta terça-feira (26) em uma casa localizada no município.  Na ação um homem identificado como Edenilton Pereira Vorgado, 44 anos, foi preso.   

A Polícia Militar recebeu informação que uma senhora havia tentando passar uma nota falsa de R$100 a um comércio da região. A PM foi ao local e a mulher informou que recebeu a nota falsa de Edenilton. 

Segundo a polícia, Edenilton responde por tráfico de drogas e está em liberdade condicional.  

A PM foi até a residência de Edenilton e encontrou R$1720 em notas falsas e R$ 150,00 reais em notas legítimas. 

Edenilton foi conduzido para a Delegacia Regional de Corrente. 


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com

Júri condena a 21 anos de prisão professor acusado de matar a ex

Foto: Divulgação / Redes Sociais

O professor e advogado Arnaldo Alves Messias, acusado de assassinar a ex-namorada Adriana Macedo Borges dos Santos, foi condenado a 21 anos de prisão. O julgamento aconteceu nesta quarta-feira (23), em Corrente. 

O irmão dele, Renato Alves, que também era réu no processo, foi absolvido pelo júri. A suspeita era de que ele ajudou Arnaldo a “atrair” a vítima para a faculdade para conversar com o irmão pouco tempo antes do assassinato de Adriana. 

Adriana Macedo Borges dos Santos tinha 24 anos quando foi morta, no ano de 2009. O crime teria sido motivado por ciúmes após ela pôr fim o relacionamento de quatro anos.

 

O acusado não participou do júri popular, porque, segundo a defesa, ele sofreu um acidente de carro quando estava a caminho de Corrente para participar do julgamento e está internado no Hospital da cidade de Barreiras sem condições de prestar depoimento no Tribunal, mas pediu ao juiz para que o julgamento fosse mantido. 

A defesa alega que Arnaldo cometeu o crime em legítima defesa.

O Cidadeverde.com apurou que as quatro testemunhas de defesa e as outras quatro de acusação foram ouvidas, inclusive o irmão de Arnaldo, que também foi réu no processo. 

O júri popular estava formado por sete pessoas da comunidade, que deram o veredicto.

Foto: Arquivo pessoal

 

Flash de Yala Sena

redacao@cidadeverde.com

Julgamento em Corrente acontece em meio a expectativa e protesto

  • Untitled-5.jpg Divulgação/ Redes Sociais
  • Untitled-1.jpg Divulgação/ Redes Sociais
  • Untitled-2.jpg Divulgação/ Redes Sociais
  • Untitled-3.jpg Divulgação/ Redes Sociais
  • Untitled-4.jpg Divulgação/ Redes Sociais

O julgamento do professor e advogado Arnaldo Alves Messias, acusado de assassinar a ex-namorada, acontece em meio a expectativa e protestos em Corrente. 

Arnaldo é acusado de assassinar a ex-namorada Adriana Macedo Borges dos Santos, de 24 anos, no ano de 2009. O crime teria sido motivado por ciúmes após ela pôr fim o relacionamento de quatro anos.

O acusado não está participando do júri popular que começou por volta de 9h, sob o comando do juiz Carlos Macello Sales Campos. A defesa do professor - que alega que ele cometeu o crime em legítima defesa - informou que ontem Arnaldo sofreu um acidente de carro quando estava a caminho de Corrente para participar do julgamento. Segundo a defesa, o advogado está internado no Hospital da cidade de Barreiras sem condições de prestar depoimento no Tribunal, mas pediu ao juiz para que o julgamento fosse mantido. 

O Cidadeverde.com apurou que as quatro testemunhas de defesa e as outras quatro de acusação já foram ouvidas, inclusive o irmão de Arnaldo, que é também réu no processo. Renato Alves é suspeito de ter ajudado Arnaldo a “atrair” a vítima para a faculdade para conversar com o irmão pouco tempo antes do assassinato de Adriana. A defesa nega a participação de Renato no crime.

A previsão é que o julgamento termine por volta da meia noite, quando o conselho de sentença do Tribunal do Júri deve anunciar o resultado. O júri popular é formado por sete pessoas da comunidade, que darão o veredicto.

Apoio à vítima

Na frente do Fórum, faixas em defesa da condenação do réu estão expostas e dentro do tribunal lotado, com cerca de 200 pessoas, várias manifestações de familiares e pessoas empunhando faixas que pedem "Justiça por Adriana". Mesmo com o tribunal lotado, 

Foto: Arquivo pessoal

A vítima Adriana Borges

MATÉRIA RELACIONADA:

Acusado de matar professora em Corrente está preso na casa de irmão

Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

Réu acusado de matar professora sofre acidente na véspera de ir a júri popular


Adriana era professora e foi assassinada dentro da faculdade onde lecionava no interior do Piauí (Foto: arquivo pessoal)

A cidade de Corrente (a 874 km de Teresina) vive expectativa para o julgamento do professor Arnaldo Alves Messias, acusado de assassinar a também professora Adriana Macedo Borges dos Santos, 24 anos, dentro de uma faculdade em 2009.

Hoje à tarde, o advogado do acusado, Joaquim Magalhães, informou ao Cidadeverde.com que Arnaldo Messias sofreu um acidente automobilístico e está internado no hospital de Barreiras. O julgamento está marcado para acontecer amanhã (23). 

Mesmo com o acidente, o advogado de Arnaldo esclarece que pediu ao juiz que o julgamento fosse mantido. "A defesa abre mão do novo depoimento de Arnaldo no plenário para evitar qualquer alegação de nulidade", esclarece Joaquim Magalhães.

Ele contou que seu cliente estava indo para Corrente para participar do julgamento e por volta das 9h30 de hoje o veículo desceu a ribanceira e capotou. "Ele estava sozinho, foi socorrido, estava inconsciente e está tendo acompanhamento médico", disse o advogado.

Segundo o advogado, Arnaldo Messias está sem condições de prestar depoimento no Tribunal. 
Joaquim Magalhães esclarece ainda que informou ao juiz Carlos Macello Sales Campos do acidente e pediu que o julgamento fosse mantido. 

"Não queremos nenhum adiamento. O juiz nos informou que ouvirá o Ministério Público para tomar uma decisão".

Flash Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com

"Não mataram só ela, mas toda família" diz irmã de professora morta em faculdade

Adriana era professora e foi assassinada dentro da faculdade onde lecionava no interior do Piauí (Foto: arquivo pessoal)

"Não mataram só ela, mas toda a família". Esse é o desabafo da enfermeira Andreia Macedo, irmã da professora Adriana Macedo Borges dos Santos que morreu com um tiro na cabeça em uma faculdade no município de Corrente ( a 874 km de Teresina). O crime ocorreu em setembro de 2009, mas o julgamento irá acontecer nesta quarta-feira (23), quase 10 anos após o crime. 

"Na verdade, não mataram só a Adriana, mas toda a família. Meu pai teve um infarto fulminante. Chorava todos os dias olhando pra um banner que mandou fazer com a foto da minha irmã. Minha mãe também não é a mesma pessoa e passou a depender da gente pra tudo, pois não tem mais condições de ficar sozinha. A Adriana só tinha 24 anos e teve todos os sonhos interrompidos, inclusive o de ser mãe", desabafa a irmã. 

(Foto: arquivo pessoal)

O crime teve grande repercussão na época. O acusado de ter efetuado o disparo é Arnaldo Alves Messias, que lecionava na mesma faculdade da vítima com quem manteve um relacionamento de quatro anos. O crime teria sido motivado por ciúmes e pelo término do namoro.

Em entrevista recente ao Cidadeverde.com, o advogado de Arnaldo defendeu que o tiro foi acidental e que não houve intenção de matar a mulher. Ele descartou ainda a participação do irmão de Arnaldo que também é acusado de participação no crime.

Contudo, a família de Adriana acredita que o crime foi premeditado. Além de professor, Arnaldo Messias é advogado e primo do prefeito de Cristalândia. 

"Eles já não estavam namorando há cerca de quatro meses. Minha irmã foi à faculdade acreditando que ia assinar uns documentos e se deparou com ele [Arnaldo] e o irmão dele que a segurou pelo braço. Ele [Arnaldo] atirou na Adriana e depois deu um tiro de raspão nele mesmo para tentar fugir. O tiro não foi acidental", acredita a irmã. 

Ao Cidadeverde.com, ela destaca o sofrimento da família e a esperança de que "o crime não ficará impune". 

"Isso deles estarem em liberdade, dói mais ainda. Não é fácil! desde quando foi marcado o julgamento, nosso sofrimento só aumentou, mas é uma dor que temos que passar. Já estamos nos preparando psicologicamente para isso. Primeiramente, temos fé em Deus e acreditamos que será feita Justiça aqui na terra. A Adriana não volta, mas se eles forem condenados e presos, vamos conseguir dormir", desabafa Andreia Macedo. 

Ela não confirma que a irmã sofria agressões físicas e psicológicas, mas que Adriana teria revelado a outros familiares "que vivia assustada e amedrontada". 

(Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com)

"A gente conhecia ele como uma pessoa de poucas palavras. Ele mandava mensagens ameaçadoras, mas ela nunca falava para a família. Contudo, amigas contaram que ela queria terminar, mas tinha medo, por isso, sequer registrou o caso na delegacia e dizia que preferia morrer a ficar com o Arnaldo. Existem dois lados; mas só uma verdade", desabafa a irmã.

O júri popular está marcado para a quarta-feira (23) no Fórum da Comarca de Corrente, às 9h. 

"Nós vamos estar no julgamento, usar camisetas e fazer tudo o que é permitido. A Justiça será feita e eles serão condenados. Esse crime não vai ficar impune porque Deus  é maior", acredita Andreia Macedo. 

Caso seja condenado, não incidirá a qualificadora do feminicídio, pois a lei que aumentou o intervalo de pena para homicídios de mulheres [12 a 30 anos]  por  questões de gênero, só passou a valer em 2015. Arnaldo e o irmão Renato Evilásio Alves Messias são acusados de homicídio qualificado por motivo torpe e recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa da vítima. 

Advogado Silas Barbosa fará sustentação oral no Tribunal do Júri

CRIME CRUEL E PREMEDITADO

Segundo Silas Barbosa de Menezes, um dos assistentes de acusação, o crime foi bárbaro, premeditado e os acusados agiram de forma pusilânime. 

"Foi um crime com requintes de crueldade, premeditado em que o acusado se utilizou do fato de ser operador do direito e de família tradicional para buscar um álibi que possa servir para argumento para uma possível absolvição", disse o advogado.

Silas Barbosa ressalta que os acusados não ofereceram possibilidade de defesa a vítima e que a tese do disparo acidental é insubsistente. 

"Eles agiram de maneira impiedosa, sem dar direito de defesa a jovem que, por sua própria natureza física, era frágil. A sociedaede de Corrente não pode manchar as páginas de sua história com a absolvição de dois acusados que são frios, calculistas e nocivos a sociedade. A sociedade clama tanto por Justiça e critica a falta de segurança. Chegou o momento dessa mesma sociedade fazer Justiça e condenar os dois acusados por um crime que não pode servir como parâmetro ou incentivo para que casos da mesma natureza venham a ocorrer futuramente", completa Silas Barbosa de Menezes.

TESTEMUNHA OCULAR

O advogado Ricardo Amorim, que também é assistente de acusação, reforça a tese de que o crime foi premeditado. Segundo ele, materiais apreendidos no carro de Arnaldo e que constam no inquérito policial, indicam que o acusado, possivelmente, pretendia raptar a vítima.

(Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com)

"No bagageiro do carro dele tinha fita adesiva, correntes, cordas, cadeados, ou seja, elementos que evidenciam a premeditação. Isso levou a polícia a entender que o objetivo inicial não era matá-la ali, mas raptá-la, levá-la para um outro local e eventualmente  matá-la. Contudo, por alguma razão, que a gente desconhece, ele a matou na faculdade", disse o assistente de acusação.

Ricardo Amorim disse ainda ao Cidadeverde.com que uma testemunha ocular é peça-chave no julgamento. 

"Essa testemunha ocular estava na janela de casa e conta que viu o irmão de Arnaldo puxando a Adriana pelo braço. O julgamento demorou tanto tempo porque eles são pessoas influentes na região. A moto dela nunca mais apareceu e isso levanta suspeitas que quiseram ocultar provas, justamente, porque na moto ia ter digitais, provas mais contundentes da participação do irmão de Arnaldo", completa Ricardo Amorim.

 

MATÉRIAS RELACIONADAS

Professor mata ex por ciúmes em universidade

Acusado de matar professora em Corrente está preso na casa de irmão

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Professor acusado de matar ex-namorada dentro de faculdade vai a júri popular

Está marcado para o próximo dia 23 de janeiro, o júri popular do professor e advogado acusado de matar a ex-namorada e depois tentar suicídio no município de Corrente, em 2009. O professor Arnaldo Alves Messias é suspeito de matar a professora Adriana Macedo Borges dos Santos com um tiro na cabeça e depois tentar se matar também com o disparo na cabeça. O crime que teve grande repercussão aconteceu no dia 8 de setembro e o julgamento acontecerá no Tribunal do Júri, no Fórum da Comarca de Corrente, às 9h. 

A advogado de defesa de Arnaldo, Joaquim Magalhães, afirmou ao Cidadeverde.com que a alegação da defesa é de que o disparo foi acidental e que não houve intenção premeditada de matar a mulher.  O advogado também disse que o irmão de Arnaldo, Renato Evilásio Alves Messias, que também é acusado no processo, não está envolvido no crime. Segundo a acusação, Renato teria atraído a vítima para um encontro com o irmão, onde logo depois ela foi baleada.

“O irmão dele também é acusado, mas não tem nenhum sentido ele ser acusado e vamos provar isso no júri. O irmão dele nem sequer estava nesse dia e hora na faculdade. Temos álibi suficiente que demonstra que ele estava em outro local. E nossa alegação com relação ao Arnaldo é que não houve crime premeditado, não houve homicídio na forma descrita pelo MP, não houve a vontade de matar a moça, absolutamente. Houve na verdade uma discussão e um acidente que provocou o disparo e a morte dela. E isso tudo vai ser demonstrado e desconstituída a denúncia quando da defesa em plenário no Tribunal do Jurí”, alegou Joaquim Magalhães. 

Advogado Joaquim Magalhães

A defesa também informou que Arnaldo está atualmente respondendo ao processo em  liberdade e que faz tratamento médico. “Ele tem hoje dificuldade de falar e faz tratamento em razão das sequelas causadas pelo tiro que desferiu contra ele mesmo no dia do crime”. 

Juiz Carlos Marcelo Sales Campos, da comarca de Corrente, é o responsável pelo processo.

Entenda o caso
O crime aconteceu dentro da faculdade onde tanto a vítima quanto o acusado lecionavam e as informações de testemunhas é que o relacionamento entre os dois havia acabado dois meses antes do ocorrido. Há informações também que Adriana chegou a ser levada para o hospital da cidade, mas não resistiu. 

 

 

Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

Casa da Cultura de Corrente receberá a Orquestra de Bandolins de Oeiras

Em comemoração ao Mês da Música, a Casa da Cultura de Corrente recebe na próxima quinta-feira, 22 de novembro, a Orquestra de Bandolins de Oeiras. 

“A proposta partiu do deputado Fábio Novo (ex-secretário de Estado da Cultura), vendo o desenvolvimento das crianças ele propôs que o grupo circulasse pelo Piauí, nos teatros e casas de cultura. Fizemos o projeto e concorremos ao SIEC (Sistema de Incentivo Estadual à Cultura)”, comenta Herberth Vinícius, professor e maestro da Orquestra. O projeto é patrocinado pelo Armazém Paraíba e conta com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult).

Os ingressos no valor de R$ 10 reais já estão disponíveis. A apresentação terá início a partir das 20h.

Fonte: portalcorrente

Posts anteriores