Cidadeverde.com
Diversidade

Saiu a lista dos 50 gays e lésbicas mais influentes do mundo da revista Out

Out libera lista dos homossexuais mais influentes dos Estados Unidos. Confira

Os poderosos segundo a Out

Os poderosos segundo a Out


A revista norte-americana Out publicou pelo quarto ano seguido sua lista com os 50 homossexuais mais importantes do país. Alguns deles são conhecidos no mundo todo, como a humorista Ellen Degeneres _que encabeça a lista.

Outros, como o economista Barney Frank, são conhecidos muito mais nos Estados Unidos. Ele está na segunda posição. O repórter da CNN Anderson Cooper, que nunca assumiu com clareza sua homossexualidade, aparece na terceira posição.

Veja a lista completa abaixo.

1 - Ellen Degeneres
2 - Barney Frank
3 - Anderson Cooper
4 - Rachel Maddow
5 - Adam Lambert
6 - Barry Diller
7 - Neil Patrick Harris
8 - Joe Solmonese
9 - Tammy Baldwin
10 - Jared Polis
11 - Marc Jacobs
12 - Rich Ross
13 - Tom Ford
14 - Tim Gill
15 - Matt Drudge
16 - Jann Wenner
17 - Fred Hochberg
18 - David Geffen
19 - Gene Robinson
20 - Scott Rudin
21 - Peter Thiel
22 - Richard Berke
23 - Christine Quinn
24 - Anthony Romero
25 - Lee Daniels
26 - Perez Hilton
27 - Suze Orman
28 - Dan Choi
29 - Chad Griffin
30 - Dustin Lance Black
31 - Andrew Sullivan
32 - Alan Ball
33 - Bryan Lourde & Kevin Huvane
34 - Nick Denton
35 - Michael Patrick King
36 - Wanda Sykes
37 - Robert Hanson
38 - Andrew Tobias
39 - Martha Nelson
40 - Adam Moss
41 - Jodie Foster
42 - Rufus Gifford
43 - Gus Van Sant
44 - Thom Browne
45 - John Cooper
46 - Jim Nelson
47 - Tim Gunn
48 - Brook Colangelo
49 - Simon Halls & Stephen Huvane
50 - Urvashi Vaid

Fonte: Mixbrasil

Versão digital do 'Lampião da Esquina' entra em cena

Mergulhar  no universo  cultural LGBT e perceber suas formas de resistência no fim dos anos 70, dominado  pela Ditadura Militar,   é possível, agora,  através de uma versão restaurada e digitalizada do jornal  “Lampião da Esquina”. Entidades do ativismo homossexual do Paraná em parceria com Ministério da Cultura realizaram o projeto de digitalização do jornal.

No editorial de lançamento do ‘Lampião da Esquina’  em 1978, o periódico declarava a que veio: “esclarecer sobre a experiência homossexual em todos os campos da sociedade e da criatividade humana”.  Estava lançado seu objetivo: ser uma voz LGBT contra o silêncio promovido pela mídia oficial.

O  ‘Lampião’ trazia em sua páginas reportagens com personalidades, contos, critica literária, teatro, cinema e  notas contra as formas de homofobia social. Escreviam para o jornal o novelista Aguinaldo Silva, o romancista, cineasta e roteirista João Silvério Trevisan, o antropólogo Peter Fry entre outros intelectuais.

As edições digitalizadas  do jornal podem ser acessadas pelo endereço http://www.grupodignidade.org.br/blog/.

Os prefeitos de Teresina e os LGBTs

FIRMINO FILHO - dois mandatos - deixou de sancionar duas importantes leis de reconhecimento dos LGBTs como sujeito de direitos: a que prevê sanções administrativas para discriminações motivadas por orientação sexual e a Lei Nº 3401/2004, que reconhece, para fins previdenciários, as uniões homoafetivas entre pessoas do mesmo sexo. Nunca quis conversa com o movimento LGBT.
SÍLVIO MENDES - um mandato e 1/2 - Enviou para a Câmara Municipal o Projeto de Lei instituindo o Conselho Municipal dos Direitos da População LGBT; determinou providências para elaboração de decreto que trata do nome social de travestis. Recebeu, por duas vezes, entidades do movimento LGBT em Palácio.

Conselho Municipal LGBT será instalado em maio

A partir do mês de maio, Teresina deve contar com mais um instrumento de defesa dos direitos da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais): o Conselho Municipal dos Direitos da População LGBT, criado pela Lei nº 3969, de 12/03/2010.
O órgão colegiado será composto por 14 conselheiras(os): 07 do Poder Público Municipal e 07 da sociedade civil. A representação não governamental será escolhida através de processo eleitoral, regido por um Edital que estabelecerá os requisitos para que as entidades interessadas em compor o Conselho possam inscrever-se.

Crimes homofóbicos?

Nos últimos dias, a mídia piauiense veiculou duas notícias que chamaram a atenção de ativistas do movimento LGBT brasileiro.




Na primeira notícia, a descoberta de uma ossada humana, enterrada em um lugar ermo, no município de Timon. Para a Polícia, os ossos podem ser de um cabeleireiro desaparecido desde fevereiro. Informações  dão conta que a vítima teve seus dentes arrancados pelos assassinos. Crime com requintes de crueldade!

Na outra,  a informação de que o idealizador do Miss Gay de Piripiri teria sido amarrado por três pessoas encapuzadas e levado para um lugar desconhecido.

Seriam esses dois crimes motivados pela intolerância? Se forem, darão robustez à triste estatística, que coloca o Brasil como campeão mundial!
"(Con)VIVER com a DIVERSIDADE faz a DIFERENÇA!

Drag queen ativista se encontra com Lula

A drag queen de Campinas Lohren Beauty e presidente do Grupo E-Jovem se encontrou na tarde de ontem (08/04) com o presidente Lula, em Brasília.

Lohren ocupa a cadeira de representante LGBT no Conselho Nacional da Juventude. A pauta do encontro foram os jovens gays.

"Pedi pro presidente olhar com mais carinho para os adolescentes e jovens LGBT," disse Lohren. "Ele disse que todo o seu governo está empenhado nisso", revelou.

Lohren não comentou mais sobre a reunião com Lula, mas, segundo ela, o presidente elogiou seu vestido. "Ele disse que eu estava realmente vestida para encontrar o presidente!", comemorou.

Fonte: ACAPA

Portugal reafirma posição favorável a união civil de gays

A pedido do presidente Anibal Cavaco Silva, a Corte Constitucional de Portugal legitimou novamente a lei que permite o casamento homossexual no país.


Apesar de ter sido aprovada em janeiro, o presidente ainda tinha dúvidas sobre a constitucionalidade da lei, que retira a obrigatoriedade de que somente pessoas de sexos diferentes podem realizar o matrimônio.



De acordo com a Corte, a Constituição "não proíbe a evolução da instituição do matrimônio" e "sua extensão a pessoas do mesmo sexo não impede o reconhecimento e a proteção da família como elemento fundamental da sociedade".

Primeiro casamento entre mulheres é realizado na Argentina


Duas mulheres, ambas de 67 anos, se casaram nesta sexta-feira (9) em um cartório em Buenos Aires, no primeiro casamento entre mulheres da Argentina.



A argentina Norma Castillo e a uruguaia Ramona "Cachita" Arévalo, que namoravam há 30, se casaram depois de conseguir uma autorização judicial concedida pela magistrada Elena Liberatori.


As duas são ativistas do coletivo 100% Diversidade e Direitos e Norma é titular do Centro de Aposentados Porta Aberta à Diversidade, organizações que fazem parte da Federação Argentina de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais, cujos porta-vozes confirmaram à Agência Efe a celebração da união.


Este é o terceiro casamento entre pessoa do mesmo sexo realizado na Argentina e o primeiro entre duas mulheres.

Fonte: Uol

Projeto 'A gente quer viver pleno direito' debate Prevenção e Promoção da Saúde de Jovens

  • FOTOS_1.jpg Herbert Medeiros
  • Foto_8.jpg Herbert Medeiros
  • foto_7.jpg Herbert Medeiros
  • foto_6.jpg Herbert Medeiros
  • foto_5.jpg Herbert Medeiros
  • FOTO_4.jpg Herbert Medeiros
  • FOTO_3.jpg Herbert Medeiros
  • FOTO_2.jpg Herbert Medeiros

O grupo Matizes promoveu neste sábado (08) a oficina ‘Prevenção e Promoção da Saúde de Jovens’ através do projeto ‘A gente quer viver pleno Direito’. A iniciativa aconteceu a partir da interlocução e parceria com o grupo Afro-cultural Coisa de Nêgo.  O objetivo da ação era germinar reflexões educativas sobre vivências das sexualidades e suas conexões com a saúde e prevenção.  

No primeiro momento, a justificativa e objetivos do projeto foram contextualizados para os integrantes. Em seguida, o  facilitador - ativista do movimento negro e acadêmico de Serviço Social -   Jorge Luiz Batista iniciou os trabalhos da oficina provocando os participantes a construírem coletivamente um ‘contrato de convivência’ para favorecer um encontro agradável e produtivo. Os jovens apontaram como eixos norteadores do contrato conceitos como respeito, empatia, diálogo, entendimento,  fraternidade.

O mediador propôs a  primeira dinâmica da atividade com o tema ‘Mitos e Realidades’. A ação  envolvia pensar  situações, conceitos e compreensões sobre: papeis sexuais de homens e mulheres na vivência da sexualidade; utilização de métodos contraceptivos por adolescentes; problematização de tabus sobre o exercício da masturbação; uso do preservativo nas interações afetivo-sexuais; desconstrução sobre a noção de grupo de risco e discussão da ideia de situações de vulnerabilidade.

Em outro momento do evento, o facilitador fomentou   discussões   sobre os conceitos de corpo para além do aspecto biológico. A parte inicial da dinâmica consistia em convidar dois participantes (homem e mulher) para deitar numa folha de papel e depois  voluntários  desenhariam os contornos dos corpos. Os integrantes então foram provocados a escrever   palavras e frases acerca de   sentimentos  que permeiam as relação sociais, éticas,  afetivas, simbólicas e culturais com os corpos.

O propósito da dinâmica, segundo Jorge Luiz,  era pensar e ressignificar a importância de valorizar as dimensões socioafetivas do corpo, favorecendo um olhar sensível para sentir, vivenciar e perceber as experiências socioculturais com a corporalidade. Também destacou que uma visão crítica sobre o assunto constitui fator de promoção da saúde para  população adolescente e jovem.

O Coordenador do Projeto ‘A gente quer viver pleno direito’, Herbert Medeiros,  também colaborou com a oficina apresentando a proposta “Negociação do preservativo na prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis(IST/HIV/AIDS). Medeiros criou situações desafiadoras para  os integrantes  responderem  como negociariam a camisinha  em ocasiões envolvendo vivências das relações sexuais.

Outra temática também colocada em foco  versava sobre “Aids e Direitos”.  De acordo com a coordenação do projeto, a finalidade de pautar o assunto    era difundir (in)formações para os participantes compreenderem o empoderamento de pessoas com HIV/AIDs no exercício de sua cidadania.  Situações de violações de direitos foram ilustradas como forma de  identificar as estratégias de ações  para garantir direitos de pessoas soropositivas.

Em etapa posterior, uma das participantes da oficina fez demonstrativo sobre o uso do preservativo masculino e feminino. Ainda houve distribuição de camisinhas entre os jovens.

 Segundo Herbert Medeiros, a  oficina realizada em parceria com o grupo Coisa de Nêgo e efetivada na comunidade Boa Esperança,  zona norte da cidade, é uma das ações do projeto. Destaca que outras iniciativas  estão previstas dentro da programação da 13ª Semana do Orgulho de Ser, a ser realizada entre 26 e 31 de agosto. Entre as iniciativas  ressalta a oficina ‘Sexualidade e prevenção das IST’s na palma da mão’ com a facilitadora Thâmara Vilanova e a se realizar na Associação das(os) surdas(os) de Teresina.

O representante do  Matizes aponta ainda a palestra no dia 29/08 cujo tema será  ‘Ações de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis e promoção da saúde’ com a debatedora Karinna Alves Amorim de Sousa, doutoranda em enfermagem e Coordenadora Estadual de Doenças Transmissíveis da Secretaria Estadual de Saúde. O debate acontecerá no Centro de Educação Profissional São Camilo(CEPROSC).

‘A gente quer viver pleno direito’ é realizado pelo  Matizes com  apoio  do Fundo PositiHiVo. Os objetivos do projeto são  realizar ações de Advocacy,   Educativas e   de Prevenção ao HIV/AIDS. 

 

Posts anteriores