Cidadeverde.com

Tese de Doutorado: você apresenta e dança... Dança?!?

Uma banca de doutorado não é uma coisa fácil de enfrentar. Para quem não conhece a rotina eu explico: quando um estudante se candidata a fazer um Doutorado ele precisa desenvolver uma pesquisa inédita sobre o tema que resolveu estudar. Ao concluir passa a escrever sua Tese sobre o assunto. A tese, obrigatoriamente, é um trabalho inédito sobre aquele assunto, construída em cima dos dados obtidos com a pesquisa. Muitas vezes, estabelece-se neste interim uma relação de amor e ódio com o Orientador.

Orientador é um pesquisador, vinculado ao Programa de Pós-Graduação onde o aluno está matriculado (seja Mestrado ou Doutorado), que será uma espécie de mentor intelectual do trabalho. A relação de amor e ódio vem do relacionamento em si entre o pesquisador e seu orientador, muitas vezes vinculado ao perfil do próprio orientador e, principalmente, da combinação com o perfil do próprio aluno. Ao concluir o trabalho, este deve ser apresentado a uma banca formada por especialistas na área do estudo. E aí começa uma das fases mais tensas de uma pós-graduação Stricto Sensu (como se chama, de forma genérica, cursos de Mestrado e Doutorado).

A defesa da tese é uma espécie de Tudo ou Nada. De repente, tudo o que você fez nos últimos dois anos (no caso do Mestrado) ou nos últimos quatro anos (no caso do Doutorado) está ali prestes a passar por uma prova de fogo. Chama-se defesa porque, literalmente, você terá que defender o seu trabalho, ante aquela banca formada por pesquisadores que vão buscar os possíveis defeitos do seu trabalho. Tudo, absolutamente, tenso!

Mas e se, de repente, você tivesse que explicar sua tese dançando? Dançando? Como assim?

A pesquisadora pernambucana Natália Oliveira, autora da tese “Desenvolvimento de Biossensores para Ciências Forenses” foi além da “simples” defesa de sua tese. Inscreveu sua tese no Concurso Dance your PhD (em tradução livre, Dance seu Doutorado) da Revista Science e venceu, na categoria Voto Popular, este concurso inédito, na versão 2017. Natália ousou explicar sua tese dançando em um clipe que foi enviado para o concurso e recebeu 78% dos votos, tendo sido a vencedora.

O desafio de Natália foi além do próprio Doutorado: numa missão inédita para ciência brasileira era conseguiu um feito inédito na tarefa de divulgar a pesquisa e seus resultados práticos. Para executar o vídeo Natália Oliveira contou com a ajuda do Grupo de Dança Vogue 4 Recife, que encenou sua tese em clipe interessantíssimo. Confira: 

 

O maior cajueiro do mundo fica mesmo no Piauí

  • cajueiro2.jpg Amaral et al. (2017)
  • cajueiro1.jpg Amaral et al. (2017)

A história do Cajueiro-Rei já vai longe. Há mais de duas décadas já se falava da possibilidade desta imensa árvore de caju situada lá em Cajueiro da Praia, aqui no Piauí, ser maior do que o famoso Cajueiro de Pirangi que fica na cidade de Parnamirim, litoral do Rio Grande do Norte e que foi considerado pelo Guinness Book, em 1994, o maior do mundo.

Agora a história foi comprovada cientificamente. No último dia 14 de outubro o periódico internacional Genetics and Molecular Research (GMR) publicou um artigo de sete páginas que apresenta as comprovações de que o Cajueiro-Rei, aqui do Piauí, realmente tem uma área de copa maior do que o cajueiro de Parnamirim (RN).

A pesquisa foi assinada por oito pesquisadores radicados nas universidades UFPI, UESPI e UNICAMP, liderados pelo Dr. Fabrício Amaral (UESPI), grupo do qual tive a honra de participar, na condição de botânico.

O estudo foi relativamente simples: foram coletadas amostras (folhas) de diferentes regiões da planta, que se supunham fazer parte de uma copa única e este material foi testado geneticamente, para determinar se fariam parte do mesmo indivíduo. O material foi tratado, tendo sido replicado por uma reação chamada PCR (sigla em inglês para Cadeia de Reação da Polimerase) e submetido a uma eletroforese (processo de separação de materiais submetidos a um campo elétrico) e comparado com sequências típicas de alguns genes já estudados da espécie do Cajueiro (Anacardium occidentale). Comprovado de que se tratava de material idêntico para todas as amostras coletadas, procedeu-se a medição da área ocupada pela copa da árvore.

Para medição foram usadas ferramentas do Sistema de Informações Geográficas (SIG), utilizando imagens de satélite da árvore, além de softwares que mediram o perímetro e a área ocupada, que totalizou 8.834 m², mais de 300 m² maior do que o Cajueiro de Pirangi, que mede cerca de 8,5 mil m².

Cabe agora ao Guinness confirmar a mudança de titularidade para o maior cajueiro do mundo. Mas, ao contrário do cajueiro do RN, o Cajueiro-Rei terá seu título de “maior do mundo” sustentado por bases científicas.

Quem quiser conferir o artigo basta clicar em  

https://www.geneticsmr.com/articles/genetics-analysis-of-the-biggest-cashew-tree-in-the-world.pdf

Nova pesquisa pode resultar na anulação de várias teorias sobre o comportamento do elétron

Uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto Conjunto do Laboratório de Astrofísica (sigla em inglês JILA) da Universidade do Colorado, nos EUA, pode revolucionar muito do que se sabe sobre a natureza do elétron.

Os pesquisadores optaram por analisar o elétron dentro de uma partícula maior carregada, o que foi considerado uma abordagem radicalmente diferente. A nova abordagem se deparou com dados que conduzem a um formato assimétrico para o elétron que teria, ao invés da previsão quase unânime de um formato esférico, uma forma ligeiramente oval, provocada por uma pequena variação no Momento Dipolo Elétrico (sigla em inglês, EDM). Ao encontrarem um EDM diferente de zero, os cientistas deduziram uma distribuição desigual de cargas, o que modifica a forma do elétron.

O elétron visto sob esta perspectiva explicaria, por exemplo, porque no Universo existe atualmente mais matéria do que antimatéria, já que as duas foram formadas em iguais quantidades por ocasião do Big Bang. Para o físico atômico David Weiss da Universidade da Pensilvânia (EUA) é provável que o Momento Dipolo Elétrico realmente exista no elétron, por tornar factível a explicação do excesso de matéria no Universo.

O próximo desafio agora é o de medir este Momento Dipolo Elétrico (EDM) no elétron. Medições alcançadas enterrariam algumas das teorias vigentes sobre a natureza da carga elétrica negativa considerada unânime entre os físicos e químicos do Mundo inteiro.

Acompanhe o vídeo a seguir com explicações mais detalhadas sobre esta pesquisa:

Missão internacional de pesquisadores visita áreas no Piauí

  • Missão_7_cidades4.jpeg Oziel Monteiro
  • Missão_7_cidades3.jpeg Oziel Monteiro
  • Missão_7_cidades2.jpeg Oziel Monteiro
  • Missão_7_cidades1.jpeg Oziel Monteiro
  • Missão_7_cidades.jpeg Oziel Monteiro

Esta semana que passou uma missão formada por pesquisadores de renome nacional e internacional visitou Unidades de Conservação no Piauí. Liderados pela pesquisadora do Instituto Florestal de São Paulo, Dra. Giselda Durigan, a missão teve como objetivo conhecer as fronteiras da transição entre o Cerrado e a Caatinga, o que é possível ser visto em áreas do Piauí, uma das maiores zonas ecotonais do Brasil.

Zona Ecotonal é uma zona de transição entre ecossistemas distintos. É o que ocorre no nosso Estado, no qual ecossistemas diferentes como o Cerrado, a Caatinga, a Mata de Cocais e Florestas Estacionais Deciduais e Semideciduais se entrelaçam, compondo um ambiente com elevada diversidade biológica.

Além da Dra. Giselda Duringan compuseram o grupo as Doutoras Alessandra Fidelis (Professora da Universidade Estadual Paulista – UNESP) e Inara Roberta Leal (Professora da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE). Completaram o grupo os pesquisadores australianos Alan Andersen e Brett Murphy.

A importância da visita

Os pesquisadores foram recepcionados pelo Prof. Caio Soares. Caio é estudante de Doutorado da Universidade de Campinas (UNICAMP) e estuda a diversidade vegetal no Parque Nacional de Sete Cidades, numa iniciativa que visa entender os diferentes ambientes e fisionomias de Cerrado encontradas nesta importante Unidade de Conservação do Piauí. Ao visitarem a área foi possível o planejamento de várias pesquisas visando entender particularidades do ambiente encontrado no Parque, assim como estudos visando a Restauração de ecossistemas. “Fui contatado pela Dra. Giselda Durigan que vinha trazendo estes pesquisadores para que conhecessem a transição entre os ambientes de Cerrado e Caatinga. A visita foi importante também para minha pesquisa e abriu uma boa oportunidade de estabelecermos parcerias com estes importantes pesquisadores”, explicou Caio Soares. Compuseram ainda a equipe que recebeu e o guiou os pesquisadores  o biólogo Jarrel Santos e Oziel Monteiro, Guia do PARNA Sete Cidades.

Quem são estes pesquisadores?

Dra. Giselda Durigan e a Dra. Alessandra Fidelis estão entre as maiores autoridades mundiais em Ecologia da Restauração, especialmente em ambientes destruídos pela ação do fogo. Dra. Inara Leal lidera grupos que estudam os impactos provocados pelo Homem (impactos antrópicos) em ambientes naturais. Seus estudos são concentrados na região da Caatinga.

Dr. Brett Murphy é pesquisador da Universidade Charles Darwin, em Darwin, Austrália e atualmente é um dos maiores pesquisadores no estudo de felinos selvagens. Dr. Alan Andersen também é pesquisador da Universidade Charles Darwin e é a maior autoridade mundial em formigas. Os dois pesquisadores estudam o efeito do fogo nas faunas de mamíferos e insetos, respectivamente.

Além do Parque Nacional de Sete Cidades a missão visitou ainda a Floresta Nacional de Palmares no Município de Altos (PI).

Cientista brasileiro publica artigo que contraria a Teoria do Big Bang

Muita gente já deve ter ouvido falar da Teoria do Big Bang ou Teoria da Grande Expansão. Segundo esta teoria o Universo teria surgido a partir da expansão da matéria há aproximadamente 13,8 bilhões de anos e estaria em processo de expansão até hoje.

O Big Bang foi pensado inicialmente como a Hipótese do Átomo Primordial foi proposta por Georges Lemaitre em 1927 recebeu o aporte de ideias e contribuições de pesquisadores como Alexander Friedmann e Edwin Hubble, alinhados com a teoria da Relatividade de Albert Einstein. A teoria ganhou o nome de Big Bang (a grande explosão, em bom português) em 1949 pelo cientista Fred Hoyle que, para explicar um modelo cosmológico em oposição à do Big Bang (Teoria do Estado Estacionário), o cunhou de forma pejorativa, durante uma entrevista concedida sobre o tema a uma rádio.

O cientista brasileiro Juliano César Silva Neves do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) afirmou, categoricamente que o Big Bang não existiu.

Neves publicou recentemente na revista científica General Relativity and Gravitation onde sugere a eliminação de um aspecto fundamental do modelo padrão cosmológico: a necessidade da existência de uma singularidade cosmológica no início dos tempos, ponto focal do que é chamado de Big Bang. A ideia reinserida nesta discussão sobre a origem do Universo por Neves e de que a fase de expansão, unânime entre os cientistas, tenha sido precedida por uma fase de contração.

A discussão sobre este tema vai longe. O crescimento e desenvolvimento da ciência dá-se exatamente em razão deste tipo de discussão, fundada não em crenças pessoais, mas na análise de fatos que corroborem com o assunto.

Pesquisadores japoneses descobrem caverna na lua

A pesquisa espacial japonesa conseguiu um feito interessante, publicado na Revista Geophysical Research Letters: descobriu uma caverna com aproximadamente 50 km de comprimento. A descoberta feita pela JAXA (Agência Espacial Japonesa) usou ondas sonoras emitidas pela sonda Selenological and Engineering Explorer apontada para uma grande cratera e obteve como resultado a presença de um túnel com 100 metros de largura e 50 km de comprimento.

A ideia é que em uma missão futura, com possibilidade de usar a Lua como base, seja possível criar um local seguro e habitável. Protegidos na caverna, os astronautas estariam menos sujeitos a variações de temperaturas e de radiação. Na lua as tempraturas variam entre 107ºC durante o dia e -153ºC, durante a noite, o que dá a espantosa amplitude térmica (diferença entre a maior e a menor temperaturas) de 260ºC. Os cientistas acham que a Caverna tenha sido formada por atividade vulcânica há cerca de 3,5 bilhões de anos.

A pesquisa foi publicada no dia 19 de outubro, dia do Piauí.

Pesquisadores mapeiam arboviroses em todo o Piauí

  • zika1.jpg Lindemberg Albuquerque / Imagens de Internet
  • slide_59.jpg Lindemberg Albuquerque / Imagens de Internet
  • normal_4virus_dengue.jpg Lindemberg Albuquerque / Imagens de Internet
  • mosquito_vírus_febre_amarela.jpg Lindemberg Albuquerque / Imagens de Internet
  • Foto_03.jpg Lindemberg Albuquerque / Imagens de Internet
  • Foto_02.jpg Lindemberg Albuquerque / Imagens de Internet
  • Foto_01.jpg Lindemberg Albuquerque / Imagens de Internet

As epidemias de Chikungunya e Zika são heranças da capacidade humana de impactar o meio ambiente. Juntamente com a Dengue, são viroses transmitidas pela picada das fêmeas do mosquito da espécie Aedes aegypti, causadas por vírus classificados como Arbovírus. A Dengue foi detectada pela primeira vez na década de 1980, mas Chikungunya e Zika são doenças que apareceram de 2014 para cá. Todas transmitidas de modo eficiente pelo Aedes.

A Dengue tem um histórico de maltratar muito seus doentes com febre, dores no corpo, vermelhidão e com a possibilidade de levar a letalidade na sua versão hemorrágica. A Chikungunya leva a um longo período de dores articulares e febre. Já a Zika é assintomática em mais de 80% dos pacientes e se caracteriza como uma virose benigna já que pode causar apenas mal-estar e vermelhidão na pele e nos olhos. Mas sua forma mais degradante é sobre fetos, o que já foi comprovado por pesquisadores brasileiros. O Zika ajuda a destruir tecido nervoso, sendo o principal suspeito de casos de microcefalia que estouraram no Brasil entre os anos de 2015 e 2016.

Os pesquisadores da Universidade Federal do Piauí, vinculados ao Mestrado em Geografia, Dr. Lindemberg Albuquerque e Dr. Gustavo Valladares aprovaram projeto junto ao edital do PPSUS da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí para prover os órgãos de saúde pública estaduais de um mapeamento completo da incidência das arboviroses transmitidas pelo Aedes aegypti.

A ideia passa por mapear a ocorrência destas doenças na abrangência dos 224 municípios do Estado do Piauí. O mapeamento contemplaria até o registro de caso de microcefalia e com as informações sobre os índices de infestação pelas larvas do mosquito propor estratégias de planejamento para os órgãos que lidam com o combate a estas doenças.

O projeto utiliza recursos do Programa de Pesquisa para o SUS (Sistema Único de Saúde) que foi criado com os objetivos de (1) financiar pesquisas em temas prioritários para a saúde da população brasileira, (2) promover a aproximação dos sistemas de saúde, ciência e tecnologia locais, (3) reduzir as desigualdades regionais na ciência, tecnologia e inovação em saúde e (4) promover a equidade.

A ciência, entretanto, segue fazendo sua parte para minimizar os efeitos da atividade do Aedes, que se tornou o grande vilão na disseminação destas doenças que tem causado danos à saúde pública brasileira e aos recursos governamentais para o seu combate.

Drástica extinção de insetos preocupa pesquisadores alemães

Na semana passada aconteceu em Teresina um seminário sobre perda de abelhas. Foram discutidas pesquisas desenvolvidas por vários segmentos preocupados com um fenômeno que parece ser mundial.

O desaparecimento é associado a fatores diversificados que vão desde o uso de agrotóxicos até as modificações no clima da Terra. Semana passada a Revista Science referiu-se a uma pesquisa publicada na Revista Plos One sobre o desaparecimento geral de insetos observado na Alemanha. De acordo com a pesquisa verificou-se que em apenas três décadas as populações de insetos encontrados em reservas naturais da Alemanha tenham reduzido na ordem de 75%.

Não existem ainda motivos claros para o desaparecimento, mas ele foi mais notório nas faixas oeste e norte da Alemanha nos entornos de cidades como Bonn e Colônia. Há 27 anos ocorre o monitoramente feito por pesquisadores da Sociedade Entomológica Krefeld, situada em Dusseldorf, que pesquisam insetos voadores em dezenas de reservas naturais do país. Os dados são assustadores, pois foi notado uma redução de 82% da biomassa coletada durante o período do verão nas armadilhas.

Sobre as causas o que existem são especulações sobre a existência de agricultura intensiva no entorno das reservas naturais e fatores como uso de pesticidas. As pesquisas devem avançar, pois o declínio de insetos afeta fortemente o ecossistema do qual são parte integrante. 

 

Consequências da extinção da Megafauna

  • tigre_do_dente_de_sabre.jpg Imagens de Internet
  • Megatherium_NT_small.jpg Imagens de Internet
  • Mamute.jpg Imagens de Internet
  • Gliptodonte.jpg Imagens de Internet
  • arvore_da_megafauna.jpg Imagens de Internet

Quem já entrou no Centro Artesanal em Teresina já se deparou com uma escultura metálica gigante chamada Árvore da Megafauna do artista plástico piauiense Carlos Martins, o Carlão, morto em 2013. A obra mostra um cenário formado por uma árvore na qual se percebe uma figura humana acompanhada de um tigre-do-dente-de-sabre, um mamute e uma preguiça-gigante em uma imagem que poderia muito bem representar uma cena vivida há cerca de 10 ou 12 mil anos atrás.

Diferente dos dinossauros, que viveram na Terra há mais de 60 milhões de anos, muito tempo antes do ser humano existir, estes animais retratados na escultura conviveram com o homem e foram extintos, muito provavelmente por uma combinação de problemas como fatores climáticos até a própria convivência com o Homo sapiens.

O pesquisador brasileiro Mauro Galetti, do Instituto de Biociências da Unesp de Rio Claro, lidera um grupo de pesquisadores do Brasil, Dinamarca, Espanha, Suíça, EUA, África do Sul e Austrália, que publicou recentemente um trabalho sobre os impactos da extinção da megafauna em todo o planeta. Ele e outros colegas compilaram informações sobre quais as consequências da extinção de mamutes, preguiças-gigantes, tigres-dente-de-sabres (animais retratados na escultura do genial Carlão) entre outros nas interações ecológicas.

A extinção destes animais mexeu com uma série de interações com outros seres vivos. Galetti comenta: se você fosse um parasita vivendo dentro de uma preguiça-gigante você teria duas alternativas na ocasião em que a preguiça foi extinta: ou se ajustava para viver em outro hospedeiro ou seria eliminado junto com a preguiça. O artigo foca questões e situações como essa. O artigo foi publicado na revista Biological Reviews.

O que restou da Megafauna ficou registrado apenas na bela escultura de Carlão e nos fósseis encontrados em muitas áreas da América do Sul, o que incluem sítios paleontológicos na região da Serra da Capivara e arredores.

Science publica série de artigos sobre Ciclo do Carbono

  • Science_CO2_3.jpg Science
  • Science_CO2_2.jpg Science
  • Science_CO2_1.jpg Science
  • Keeling_Carbon_Dioxide.jpg Science

O mais importante periódico da Sociedade Norteamericana para o Avanço da Ciência (AAAS, sigla em inglês) publicou na semana passada (13) cinco artigos resultados de pesquisas envolvendo as medições do Carbono na atmosfera da Terra.

No prólogo dos artigos, a edição celebra os 60 anos da Curva Keeling que, desde 1958, expõe medições da variação do dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. Estas medições que eram bem complicadas na década de 1950 hoje contam com a tecnologia de satélites que estão em órbita com a finalidade de aferir estas variações, permitindo a ciência capturar informações sobre variações climáticas e impactos das atividades humanas sobre a saúde e a vida no nosso planeta.

O primeiro artigo (Contrasting carbon cycle responses of the tropical continents to the 2015–2016 El Niño) fala sobre as alterações atmosféricas consequentes do El Niño 2015-2016 em comparação com as emissões de carbono, partindo de um conjunto de medições que incluíram a taxa de produção fotossintética pelas plantas, com base na captação de dados dos satélites, comparando com dados do fenômeno climático La Niña de 2011.

O segundo artigo (The Orbiting Carbon Observatory-2 early science investigations of regional carbon dioxide fluxes) comenta sobre os primeiros resultados da missão Orbiting Carbon Observatory – 2, a OCO-2, a partir de dados de frações de CO2 captados da atmosfera combinados com a fluorescência emitida pelas plantas ao realizarem fotossíntese. O artigo traz o primeiro conjunto de dados e abre perspectivas para analisar padrões regionais de distribuição e sumidouros de CO2 na superfície da Terra.

Com o título de OCO-2 advances photosynthesis observation from space via solar-induced chlorophyll fluorescence, o terceiro artigo mostra-se complementar em relação ao segundo, usando dados da missão OCO-2, na tentativa de medir a Produção Primária Bruta da Terra e obter dados seguros sobre o ciclo do Carbono na Terra. O trabalho traz os resultados das medições da fluorescência emitida pela atividade fotossintética das plantas, resultado da sua interação com o sol na produção de alimentos e conversão de carbono.

Influence of El Niño on atmospheric CO2 over the tropical Pacific Ocean: Findings from NASA’s OCO-2 mission é o título do quarto artigo que tem divulga dados sobre os efeitos do El Niño sobre o gás carbônico atmosférico medido sobre a região tropical do Oceano Pacífico. Embora já se conheça a causa do El Niño como resultado do aquecimento das águas do Pacífico as observações do CO2 pela OCO-2, são usadas para caracterizar a resposta das concentrações atmosféricas tropicais de CO2 ao forte evento El Niño de 2015-2016. Com correlações já bem conhecidas entre a taxa de crescimento das concentrações de CO2 atmosférico e a Oscilação El Niño-Sul, a magnitude da correlação e o tempo das respostas do ciclo do carbono oceânico e terrestre continuam com informações insuficientes e bastante limitadas no espaço e no tempo.

O quinto e último artigo (Spaceborne detection of localized carbon dioxide sources) é um dos mais interessantes por comparar fontes de CO2 emitidas por fatores naturais (como atividade vulcânica, por exemplo) com fontes de natureza antropogênica (realizadas pelo homem). O artigo joga alguma luz sobre uma das mais polêmicas discussões da atualidade: se as causas maiores das mudanças na temperatura global são causadas pelo homem ou por fatores naturais. Embora o artigo traga apenas resultados preliminares de medições atmosféricas feitas sobre um grande aglomerado urbano (Los Angeles - EUA), já se preconizam variações metodológicas na pesquisa para apurar de modo mais minucioso estas fontes emissoras de CO2.

Vale a pena investir em tempo para saber mais sobre esta pesquisa que a Science traz no seu número publicado dia 13 de outubro de 2017 e que é o pano de fundo para uma das maiores discussões ambientais da atualidade que é a destruição da Terra por ação do homem.

Posts anteriores